16:43 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Líder norte-coreano Kim Jong-un inspeciona um planta na província de Pyongan, Coreia do Norte, 20 de dezembro de 2015

    Coreia do Sul vota para liberar o Norte de tirania

    © AFP 2017/ KNS / KCNA
    Mundo
    URL curta
    31414

    Depois de tornar-se público que o líder norte-coreano Kim Jong-un ordenou que as armas nucleares de seu país fossem colocadas em alerta para serem usadas “a qualquer momento”, a líder da Coreia do Sul prometeu fazer todo o possível para liberar os norte-coreanos da tirania.

    A presidente sul-coreana, Park Geun-hye, votou a favor de pôr fim ao regime opressivo de Kim Jong-un e restaurar a “liberdade e os direitos humanos” para os norte-coreanos, informou a agência de notícias UPI.

    Segundo a mídia, o líder norte-coreano ordenou colocar em alerta as armas nucleares norte-coreanas para serem prontas para ataques preventivos.

    Antes disso, a Coreia do Norte lançara 6 mísseis de curto alcance para o mar do Japão. Segundo o Channel A, todos os mísseis caíram no mar depois de um trajeto de 100-150 km.

    A presidente da Coreia do Sul declarou que os mísseis são as armas principais que Kim usa para manter o seu poder. Votou liberar a nação do “programa nuclear imprudente” de Pyongyang.

    Para atingir este objetivo Seul apoiará todas as medidas tomadas pela comunidade internacional para parar o regime norte-coreano.

    Em particular, Seul prestou apoio às novas sanções do Conselho de Segurança da ONU contra Pyongyang e ao fechamento do complexo na região industrial de Kaesong, que é dirigido por ambos os países.

    De acordo com a UPI, o lançamento de mísseis de curto alcance pude ser realizado em resposta a novas sanções. A outra explicação é que lançando os mísseis, o país demostra as suas capacidades militares às vésperas de exercícios militares da Coreia do Sul e os EUA, cujo início é marcado para 7 de março.

    Tags:
    tirano, regime, direitos humanos, liberdade, Park Geun-hye, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik