20:50 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Navio da guarda costeira grega

    Grécia detém navio turco com armas destinadas ao Líbano

    © AP Photo/ Petros Giannakouris
    Mundo
    URL curta
    21511

    A mídia turca informa que a guarda costeira grega deteve na segunda-feira (29) um navio turco que transportava uma grande carga de armas ao Líbano.

    O navio, segundo se informa, partiu do porto de Izmir em 4 de fevereiro e transportava seis contêineres, dois dos quais continham armas e munições.

    As autoridades gregas detiveram todos os tripulantes, entre os quais estavam seis sírios, quatro indianos e um libanês.  

    O nordeste do Líbano é atingido por um conflito que reflete a guerra civil na Síria. No território libanês operam grupos islamistas opostas pela organização militante xiita Hezbollah e exército governamental.

    Não se sabe para que parte foram destinadas as armas. Porém, é de lembrar que em meados de fevereiro o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, acusou a Turquia e a Arábia Saudita de tentarem provocar uma guerra generalizada no Oriente Médio por não estarem prontas para aceitar uma solução política para a Síria.

    O ex-brigadeiro-general do Exército libanês e pesquisador no em Assuntos Estratégicos, Mohammed ABBAS, comentou: "Certamente, os mais afetados pelos acontecimentos em curso na Síria são três países: Arábia Saudita, Turquia e Israel. Na verdade, assim que foi declarada que, eles anunciaram que ‘a trégua irial ‘falhar", enquanto muitos relatórios mostraram o oposto. A primeira violação da trégua foi anunciada pela Arábia Saudita através de fontes da mídia; a segunda violação foi quando a Turquia bombardeou áreas curdas; além disso, uma violação que ‘Daesh’" fez in Tal al-Abyad.

    "Estes três países querem agitar a arena política no Líbano e na Síria. Assim, quando as partes russas e americanas concordaram sobre as soluções na Síria, não houve nenhuma intervenção na Síria; sem invasão terrestre na Síria — a trégua tornou-se a favor do ‘Regime’ e não da ‘oposição’; uma questão que implicará na rendição dos grupos militantes que podem se juntar às negociações de paz”, aifrmou o especialista. 

    “O Líbano e o povo e o exérrcito libanêse não é necessário para os países mencionda acima. Eles estão se comportando com uma mentalidade de vingança, principalmente no Líbano. Os objetivos e interesses da Arábia Saudita no Líbano não têm limites. Eles não dizem apenas respeito ao ‘Hezbollah’, como tal, mas o Líbano como um todo, o seu povo e o exército”, acrescentou Mohammed Abbas

     

     

     

    Que peixão!
    © Sputnik/ Vitaly Podvitski
    Que peixão!
    Tags:
    guarda costeira, armas, navio, Hezbollah, Líbano, Turquia, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik