06:21 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Orla de Yalta em janeiro, Crimeia

    Ucrânia viola direitos dos habitantes da Crimeia, afirma ONU

    © Sputnik/ Sergey Malgavko
    Mundo
    URL curta
    17521

    Algumas ações das autoridades da Ucrânia violam os direitos dos habitantes da Crimeia, diz-se no relatório da Missão de Monitoramento do Escritório do Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, publicado na quinta-feira (3).

    O documento trata dos desenvolvimentos na Ucrânia desde 16 de novembro de 2015 até 15 de fevereiro de 2016 que abrangem o período do chamado bloqueio da Crimeia.

    “Os direitos dos habitantes da Crimeia continuam sofrendo da influência desfavorável de algumas decisões do governo ucraniano inclusive o acesso ao serviço bancário na parte continental da Ucrânia. As ações dos ativistas pró-ucranianos no continente como ataques contra o sistema de eletricidade afetaram camadas vulneráveis da Crimeia“, destaca-se no documento.

    O documento recomenda ao governo ucraniano de investigar os casos de violações de direitos humanos e deter os que as cometeram. Também destaca-se que as violações de direitos humanos cometeram os ativistas ucranianos que assumiram funções policias.

    A Crimeia tornou-se de novo uma região russa depois de um referendo realizado ali em março de 2014, no qual a maioria dos habitantes da península votou a favor da reintegração na Rússia. As autoridades da Crimeia realizaram o referendo depois do golpe de Estado na Ucrânia de fevereiro de 2014, quando políticos solidários com as forças nacionalistas e russófobas chegaram ao poder. A Ucrânia ainda considera a Crimeia parte do seu território. O Ministério das Relações Exteriores russo declarou repetidamente que os habitantes da Crimeia votaram pela reintegração com a Rússia, o que plenamente corresponde ao direito internacional e à Carta da ONU e que a Rússia respeita esta escolha. Esta decisão é a realidade que deve ser tida em conta.

    Tags:
    violação, direitos humanos, bloqueio, ONU, Crimeia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik