10:08 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    SU-35

    General americano: Força Aérea dos EUA fica atrás da aviação da Rússia e China

    © Foto: JSC Sukhoi Company
    Mundo
    URL curta
    114373

    A Força Aeroespacial russa e Força Aérea chinesa são concorrentes potenciais muito perigosos dos EUA. É preciso considera-los de foram séria, afirmou o chefe do Estado da Força Aérea norte-americana, general Mark Welsh.

    “Nós não estamos seguindo ao desenvolvimento tecnológico deste tipo. <…> Teremos as melhores tecnologias militares se conseguirmos continuar a realização de três maiores programas de modernização”, disse Welsh na reunião do subcomitê da Defesa da Câmara dos Representantes dos EUA.

    Os três programas de modernização incluem projetos de empresas Boeing, Lockheed Martin e Northrop Grumman. São o avião de transporte estratégico KC-46, o bombardeiro de quinta geração F-35 e o bombardeiro estratégico B-21, disse a revista The National Interest.

    O general sublinhou que o Exército de Liberação Popular da China já supera o Exército norte-americano em termos de efetivos.

    Segundo Welsh, agora os EUA possuem 2 mil aviões mais que a China mas até 2030 a Força Aérea chinesa conseguirá reduzir a diferença se continuar montar veículos aéreos de tempos acelerados.

    The National Interest destaca que o assunto principal não é o número de aviões, mas a sua qualidade. A Força Aérea chinesa obtém novos caças de tipo Chengdu J-20 e Shenyang J-31. Além disso, Pequim importa novos caças russos Su-35.

    “A China terá muitas tecnologias que superam o que tivemos antes. E os russos seguem o mesmo caminho”, considera Welsh.

    O general atraiu a atenção ao fato de que a Rússia moderniza mais as suas forças estratégicas.

    A Força Aeroespacial russa mostra meios que não tinha mostrado antes, afirmou o general, mísseis de cruzeiro, novos aviões que pela primeira vez lançam bombas em condições de combate.

    Tags:
    modernização, Força Aérea, aviação, aviões, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik