04:48 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Osama bin Laden

    Terrorista com consciência: Osama bin Laden apelou aos americanos para salvar a humanidade

    © AP Photo / File
    Mundo
    URL curta
    1996

    Os serviços secretos norte-americanos traduziram e divulgaram documentos em que o ex-líder da rede terrorista Al-Qaeda, Osama bin Laden, apelou ao povo norte-americano para apoiar o presidente Barack Obama na luta contra as mudanças climáticas e salvar a humanidade.

    A carta de bin Laden foi encontrada entre os documentos retirados no decorrer da operação de aniquilação do "terrorista número um". Na terça-feira (1), uma parte dos documentos foi publicada pelas autoridades norte-americanas.

    Segundo a agência Reuters, a carta "endereçada ao povo americano" não era assinada, mas a inteligência pressupõe que o autor tenha sido Osama bin Laden. Segundo os dados, foi escrita em 2009, logo após o início do primeiro mandato de Barack Obama. 

    A carta apela ao povo americano para lançar "uma grande revolução para a liberdade" de maneira a liberar Obama do controle dos lobistas corporativos e permitir que o presidente tomasse "uma decisão racional para salvar a humanidade dos gases nocivos que ameaçam o seu destino".

    "… O mundo deve dirigir os seus esforços a tentar reduzir a liberação de gases", afirma bin Laden na carta alegadamente escrita por si. "Esta é uma luta entre duas das maiores culturas na Terra, e acontece na sombra de condições climáticas catastróficas".

    O terrorista foi eliminado em 2011 perto da cidade paquistanesa de Abbottabad durante uma operação das forças especiais norte-americanas. Depois de uma peritagem, o corpo de bin Laden foi sepultado no mar.

    Mais:

    Al-Qaeda assume autoria de ataque a base da ONU no Mali
    Na guerra tudo vale? CIA falsifica vistos para terroristas de Al-Qaeda
    Quem é que Obama vai bombardear no Afeganistão?
    Tags:
    mudanças climáticas, Al-Qaeda, Osama bin Laden, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik