03:12 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    29312
    Nos siga no

    O governo de Mauricio Macri chegou a um acordo com o NML Capital, o Aurelius Capital e outros fundos para o pagamento de 4,6 bilhões de dólares em dívida, segundo anunciou hoje o mediador da negociação, Daniel Pollack. Para se livrar das pendências junto a esses e outros credores, o país deverá recorrer a empréstimos avaliados em US$ 12 bilhões.

    "As partes firmaram na última noite um princípio de acordo, após três meses de intensas negociações contra o relógio, sob minha supervisão", indicou Pollack através de um comunicado, explicando que, com isso, a Argentina resolverá "85% de suas dívidas". 

    Para entrar em vigor, o acordo precisará ser avaliado pelo Congresso argentino. Embora Macri não tenha a maioria em nenhuma das duas Casas, a expectativa do governo de centro-direita é a de que o documento seja aprovado, graças à pressão sobre os governadores e às promessas de que as províncias poderão contrair novas dívidas. Isso porque, junto com o acordo, as ordens judiciais decretadas em Nova York contra a Argentina serão levantadas, desde que revogadas as leis Cerrojo e de Pagamento Soberano, o que, segundo especialistas, põe em jogo a soberania da nação, uma vez que essa é uma exigência do exterior para alterar uma norma do país em benefício de grupos estrangeiros.

    Em resumo, para quitar as dívidas com esses fundos abutres, credores minoritários que se recusaram a entrar nas reestruturações de 2005 e 2010, quando foram concedidos perdões significativos dos débitos, o governo argentino irá se endividar ainda mais, com emissões de títulos. A expectativa das autoridades financeiras é a de que sejam necessários pelo menos 12 bilhões de dólares para cobrir todos os custos ligados às recentes negociações.

    Mais:

    Argentina se torna Guatemala e França fica às avessas durante visita de Hollande
    Menos pessoal e mais operações financeiras: Citigroup abandona Argentina
    Governo Macri vai pedir a volta das missões do FMI
    Tags:
    fundos abutres, dívida, Daniel Pollack, Mauricio Macri, Nova York, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar