03:39 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Damasco, Síria (foto de arquivo)

    ONU: violência diminui no primeiro dia do cessar-fogo na Síria

    © Sputnik/ Iliya Pitalev
    Mundo
    URL curta
    Trégua russo-americana na Síria (85)
    358661

    Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o primeiro dia do cessar-fogo na Síria diminuiu a violência no país.

    Na última segunda-feira, Rússia e Estados Unidos chegaram a um acordo para um cessar-fogo na Síria. O cessar-fogo, que não inclui grupos terroristas como o Daesh e a Frente Nusra, entrou em vigor à meia-noite deste sábado, no horário de Damasco.

    “Este foi só o primeiro dia. Até agora, o fim das hostilidades levou a uma redução na violência. Um mecanismo havia sido instalado por aqueles que têm influência sobre as partes para ajudar a reduzir a tensão e facilitar o fim das hostilidades”, disse Sujarric à RIA Novosti neste sábado.

    A Síria vive uma guerra civil desde 2011, com forças leais ao Presidente Bashar Assad combatendo vários grupos de oposição, inclusive grupos extremistas como a Frente Nusra e o Daesh. A comunidade internacional, incluindo Rússia e Estados Unidos, vem se esforçando para encontrar uma solução.

    Na última sexta-feira, o Conselho de Segurança da ONU adotou de forma unânime uma resolução apoiando o acordo de Rússia e EUA sobre o fim da hostilidade na Síria — pouco antes de o cessar-fogo entrar em vigor.

    Tema:
    Trégua russo-americana na Síria (85)

    Mais:

    Curdos sírios pedem a Rússia e EUA que forçem adesão do Exército Livre Sírio a cessar-fogo
    Durante cessar-fogo na Síria, grupos terroristas continuam ataques
    Damasco: cessar-fogo não pode ser usado para mudar o equilíbrio de forças
    Em meio ao cessar-fogo militantes abrem fogo em Aleppo e Homs
    Regime de cessar-fogo começa na Síria
    Tags:
    redução, hostilidade, violência, cessar-fogo, Frente Nusra, Daesh, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Stephane Dujarric, Ban Ki-moon, Damasco, EUA, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik