11:45 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    12312
    Nos siga no

    O Parlamento Europeu adotou hoje uma resolução que pede a suspensão do fornecimento de armamentos de toda a União Europeia para a Arábia Saudita, em protesto à violenta campanha de bombardeios da coalizão liderada por Riad no Iêmen.

    A medida, aprovada com 359 votos a favor e 212 contra, não obriga os Estados europeus a tomar uma atitude, mas aumenta a pressão sobre os sauditas, em meio a críticas da ONU e da comunidade internacional sobre o grande número de baixas civis decorrentes de sua operação militar.

    "A chamada a um embargo de armas do Parlamento Europeu contra a Arábia Saudita não tem precedentes, e reflete a crescente frustração com a gestão da Força Aérea saudita na guerra do Iêmen", declarou o porta-voz do Grupo de Los Verdes / Alianza Libre Europea, Alyn Smith.  

    Segundo Smith, a Arábia Saudita é um dos principais clientes do Reino Unido e da França no setor de defesa, e "há provas de que essas armas foram utilizadas em graves violações dos direitos internacionais no Iêmen, onde milhares de civis foram mortos desde o início da guerra, em março de 2015". 

    Além de Riad, o documento também tem como objetivo pressionar Londres, que autorizou a exportação de 3 bilhões de libras em armamentos para a Arábia Saudita só no ano passado. A Grã-Bretanha tem sido acusada com frequência de estar diretamente envolvida nas atrocidades cometidas pelos sauditas no Iêmen, por conta do envio de especialistas militares ao reino wahabita. 

    Mais:

    Arábia Saudita nega plano de expandir participação no mercado de petróleo
    Serão os mísseis da Arábia Saudita dirigidos contra aviação russa na Síria?
    Arábia Saudita considera derrubada de Assad
    Arábia Saudita posiciona caças em base turca
    Tags:
    bombardeio, armamentos, defesa, armas, Parlamento Europeu, Grupo de Los Verdes / Alianza Libre Europea, Alyn Smith, Grã-Bretanha, Iêmen, França, Londres, Reino Unido, Europa, Riad, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar