10:51 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    39312
    Nos siga no

    Moscou considera as ações da Turquia em relação à Síria uma agressão, manifestou a representante oficial do Ministério do Exterior Maria Zakharova.

    “Ancara agrava a situação na fronteira sírio-turca, realizam provocações. Porém, já não são até provocações, é, de modo geral, uma agressão”, disse ela em uma entrevista ao jornal russo Argumenty i fakty que saiu nesta quinta-feira (25).

    Falando da política turca em geral, Zakharova lembrou que alguns especialistas tendem pensar que Ancara está tentando ressuscitar o Império Otomano:

    “Nos últimos tempos a elite política turca realmente dá base para dar ouvidos aos que opinam que na Turquia começam a renascer ambições imperiais. Se for verdade, quero lembrar em primeiro lugar como o Império Otomano virou para os países europeus que agora mantêm silêncio sem dar avaliações de tais ou outras ações de Ancara. Em segundo lugar, como esta história terminou para o próprio Império Otomano. E mais um momento. Durante a sua existência o Império Otomano foi chamado de ‘homem doente da Europa’. Então será que a Turquia quer ser chamada assim de novo? Duvido muito”, sublinhou.

    Ancara considera o Partido de União Democrática (PYD, partido governante no Curdistão sírio) como um braço do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), tratado como uma organização terrorista na Turquia. Baseando neste postulado, as Forças Armadas turcas realizam ataques contra as tropas curdas leais ao PYD. Estas ações do exército da Turquia foram repetidamente denunciadas pelas Forças Democráticas da Síria, que incluem as Unidades de Proteção Popular curdas.

    Segundo alguns cientistas políticos, a Turquia pode iniciar uma operação terrestre na Síria porque Ancara “atingiu um ponto que é caracterizado por uma perda de iniciativa e o impacto sobre a crise síria”.

    Tags:
    agressão, exército, Partido da União Democrática (PYD), PKK, YPG, Maria Zakharova, Curdistão sírio, Império Otomano, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar