13:36 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Trípoli, capital da Líbia

    Le Monde: França conduz guerra secreta na Líbia

    © Sputnik / Vladimir Fedorenko
    Mundo
    URL curta
    12410

    A França está usando suas forças e comandos especiais para conduzir operações militares secretas contra o grupo terrorista Daesh (autodenominado “Estado Islâmico”) na Líbia, segundo revelou o jornal Le Monde.

    ​O presidente francês, François Hollande, ordenou à elite das forças armadas do país e à Direção-Geral da Segurança Externa (DGSE) a tomar parte em operações militares clandestinas na Líbia, segundo testemunhou um informante militar ao jornal francês Le Monde.

    "A última coisa a fazer seria intervir na Líbia. Devemos evitar qualquer envolvimento militar ostensivo, mas agir discretamente", disse a fonte.

    A guerra secreta francesa no país africano envolve ataques direcionados ocasionais contra líderes do Daesh precedidos por operações terrestres “discretas”, de acordo com as informações recebidas pelo jornal.

    Além disso, ainda segundo a fonte do Le Monde, forças armadas norte-americanas e britânicas também estariam envolvidas na operação secreta destinada a enfraquecer o grupo jihadista no país devastado pela guerra.

    O Ministério da Defesa francês se recusou a comentar o relato, mas uma fonte próxima ao ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian, disse ao Le Monde que ele havia lançado um inquérito sobre "violações do sigilo de defesa nacional" para revelar a fonte da informação vazada. Se os informantes forem identificados e julgados, podem pegar até três anos de prisão.

    Mais:

    Opinião: presença de Daesh na Líbia é legado da OTAN
    EUA consideram ação militar na Líbia para ‘salvar’ África do Daesh
    EUA não descartam novos ataques aéreos na Líbia
    Tags:
    informante, operações clandestinas, guerra secreta, forças especiais, operações militares, operações secretas, Daesh, Le Monde, Estado Islâmico, Jean-Yves Le Drian, François Hollande, Líbia, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar