14:44 21 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Usina de processamento de petróleo de  Al-Khurais, da Saudi Aramco, na Arábia Saudita
    © AFP 2018/ MARWAN NAAMANI

    Queda no preço do petróleo leva países do Golfo Pérsico a criar imposto inédito

    Mundo
    URL curta
    586

    Os países membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) decidiram instituir um imposto sobre consumo e serviços que será cobrado a partir deste ano e ao longo de 2017.

    Segundo o jornalista árabe, radicado no Brasil, Rasheed Abou-Alsamh, esse imposto será algo como o IVA (Imposto sobre Valor Agregado) que será cobrado como forma de compensar aqueles países produtores de petróleo pelos baixos preços do combustível no mercado internacional. O jornalista diz que este tipo de cobrança é inédita naqueles países, onde sequer o imposto de renda é cobrado das populações.

    Sobre os preços baixos do barril do petróleo, Rasheed Abou-Alsamh afirma que há consenso entre os países do Golfo para que a situação se mantenha. Afinal, eles argumentam, há excesso de produção e o Irã está voltando ao comércio internacional depois que o embargo econômico mundial foi levantado. O Irã ficou livre das sanções após se comprometer com a comunidade internacional de que seu programa nuclear só será utilizado para fins pacíficos.

    O jornalista árabe explica que o Conselho de Cooperação do Golfo, criado em 1981, é uma aliança entre os seis países da região – Kuwait, Bahrein, Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes Unidos e Omã –, que se uniram porque têm economias e culturas semelhantes, “são todos países árabes, muçulmanos de maioria sunita (exceto o Bahrein), e para ter vantagens econômicas e também de segurança. De certa maneira, o Conselho lembra a União Europeia, de cooperação econômica”.

    “Por décadas, em nenhum desses países houve Imposto de Renda, mas com o baixo preço internacional do barril de petróleo eles se reuniram e decidiram criar um imposto sobre o consumo e sobre serviços”, conta Rasheed Abou-Alsamh. “Com isso, esperam aumentar a renda em até 2% do PIB. O imposto deve entrar em vigor no final deste ano, início do ano que vem, e cada país terá seu próprio valor de imposto, mas a implantação será unificada.”

    Com a cobrança desse imposto sobre o consumo e serviços, de acordo com Rasheed Abou-Alsamh, “os governos dos países do Golfo Pérsico terão que ser mais responsáveis e prestar contas para os seus cidadãos”.

    Mais:

    Arábia Saudita recusa-se a reduzir extração de petróleo
    Analista aponta resultados positivos para o petróleo com acordo de produção na Opep
    Irã concorda em congelar nível de produção de petróleo e provoca alta nos preços
    Tags:
    impostos, PIB, petróleo, União Europeia, Rasheed Abou-Alsamh, Golfo Pérsico, Omã, Kuwait, Bahrein, Catar, Emirados Árabes Unidos, Irã, Arábia Saudita, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik