18:18 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Guarda de honra da Força de Autodefesa do Japão participa da cerimônia de bem-vindo do ministro da Defesa tcheco, Martin Stropnicky, Tóquio, Japão, 4 de dezembro de 2015

    Oposição japonesa tenta impedir ascensão do militarismo do país

    © AFP 2018 / YOSHIKAZU TSUNO
    Mundo
    URL curta
    0 132

    Cinco partidos oposicionistas submeteram duas leis para o parlamento do Japão para que a legislação que tinha sido recentemente aprovada seja reconhecida como inconstitucional, informa a mídia local na sexta-feira (19).

    Em 19 de setembro de 2015 a câmara alta do parlamento japonês aprovou um pacote de leis sobre segurança que alteram significativamente a constituição pacifista do Japão e abrem o caminho para a hipótese de instalar tropas japonesas fora do país.

    O jornal japonês Asahi Shimbun informou que o Partido Democrático do Japão e o Partido de Inovação do Japão propuseram um pacote de leis que anulam a legislação aprovada em setembro.

    Segundo o jornal, o passo foi apoiado pelo Partido Comunista japonês, o Partido de Vida de Pessoas & Taro Yamamoto e Amigos, bem como pelo Partido Social-Democrático.

    A legislação na área de segurança disputada pela oposição abole o artigo IX da Constituição japonesa que renuncia o uso de forças nacionais no exterior e permite enviar tropas japonesas para resolver disputas internacionais.

    O Império do Japão e Alemanha nazista, juntamente com o Reino da Itália, originalmente compuseram a aliança militar conhecida como Eixo, durante a Segunda Guerra Mundial, lutando contra as forças aliadas, incluindo a União Soviética, os Estados Unidos, o Reino Unido e outros.

    Após a derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial, a constituição do país foi alterada para que o exército não pudesse ser utilizado para resolver disputas internacionais.

    As atuais Forças Armadas do Japão são chamadas de Forças de Autodefesa e suas funções são severamente limitadas.

    Tags:
    conflitos, tropas, constituição, militarização, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik