09:40 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Montanha Mannen na vila de Rauma, Noruega

    Soldados americanos guardam armas em cavernas para uma guerra na Europa

    © AFP 2018 / TORE MEEK / NTB SCANPIX
    Mundo
    URL curta
    89968

    Os EUA envolverão nos exercícios internacionais cerca de 6,5 mil unidades de equipamento militar que guardam em cavernas subterrâneas na parte central da Noruega, informou o canal televisivo norte-americano CNN.

    Os exercícios militares Cold Response 2016 (Resposta Fria 2016), que envolverão 15 mil militares de 14 países, serão realizados na Noruega entre 19 de fevereiro e 22 de março.

    Os militares norte-americanos começaram a instalar equipamento militar no complexo subterrâneo norueguês em 1981. Com o fim da Guerra Fria, as autoridades dos EUA começaram a duvidar se era racional utilizar a instalação, e nos anos de 1990 a mesma era financiada pelas autoridades norueguesas.

    Segundo o CNN, o pessoal do complexo é de 100 pessoas e o equipamento que está guardado lá é suficiente para assegurar o serviço de 15 mil de fuzileiros navais.

    O canal informou que militares norte-americanos manifestam-se a favor de usar cavernas norueguesas como um armário mais próximo do teatro de guerra potencial na Europa.

    “Qualquer equipamento instalado com antecedência reduz os nossos gastos financeiros e diminuem o tempo para assegurar as nossas operações durante a crise“, declarou o representante da infantaria naval norte-americana, coronel William Bentley.

    Mais antes o serviço de imprensa das Forças Armadas da Noruega informou que o período de 19 de fevereiro a 1 de março é uma fase preparatória dos exercícios. A fase principal dos exercícios durará de 2 a 9 de março. Militares da Noruega, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Letónia, Holanda, Polônia, Suécia, EUA, Alemanha, Espanha e Reino Unido participarão dos exercícios.

    Tags:
    caverna, exercícios militares, soldados, militares, Noruega, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik