01:40 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    5325
    Nos siga no

    O conflito aberto entre as autoridades ucranianas provou mais uma vez esta semana que a Ucrânia continua sendo controlado pelos oligarcas, escreveu o jornal americano Foreign Policy.

    Na terça-feira (16), poucas horas antes da votação no parlamento sobre a dissolução do gabinete dos ministros, os ucranianos tinham a certeza de que o governo de Arseny Yatsenyuk finalmente deixaria de existir: o seu nível de popularidade estava extremamente baixo e a pressão sobre o presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, forçado a pedir sua renúncia, não cessava de crescer.

    A publicação lembra que, no decorrer das últimas semanas, os "reformadores" do país começaram a deixar seus cargos um a um, declarando ser impossível promover reformas num país com um governo tão corrompido.

    No entanto, destaca Foreign Policy, quando tudo parecia estar certo, a campanha contra o primeiro-ministro ruiu minutos antes da votação, deixando todos "boquiabertos". Segundos antes, com o parlamento pronto para aprovar a moção de desconfiança ao governo de Yatsenyuk, dezenas de deputados de diversos partidos, ligados aos oligarcas Rinat Akhmetov, Igor Kolomoyski e Victor Pinchuk, deixaram subitamente a câmara, deixando a votar a dissolução do gabinete.

    Mais do que isso, quase 30 deputados do partido de Poroshenko se recusaram a votar a saída dos ministros. Por fim, a iniciativa obteve 194 votos dos 226 necessários, e Yatsenyuk e seu gabinete mantiveram os cargos sem sequer gerar grandes transtornos no parlamento.

    "As elites oligárquicas ucranianas, envolvidas em subornos, puderam celebrar a sua última e maior vitória contra as forças reformistas desde a revolução de 2014" – escreve Foreign Policy.

    O ocorrido comprovou mais uma vez o que todos já sabiam: a corrupção floresce no interior de todos os partidos da Ucrânia. As forças corrompidas cooperam perfeitamente entre si, mesmo quando desprovidas de alianças formais, destaca o artigo.

    Segundo o jornal, o real motivo do fracasso das reformas na Ucrânia reside no Ocidente, que ofereceu a Kiev volumes nada modestos de recursos em forma de crédito e ajuda financeira, sem exigir quaisquer mudanças reais em troca.

    Os políticos e diplomatas ocidentais "apoiaram o bem articulado premiê Arseny Yatsenyuk fechando os olhos para os seus quase 20 anos de passado negro na política ucraniana, e para as denúncias sobre seus capangas, que, pelo que tudo indica, participavam de esquemas de corrupção". E, tampouco, o Ocidente questionou o porquê de Poroshenko ter nomeado seus antigos amigos e parceiros de negócios, de passado duvidoso, para os principais cargos de sua administração, diz o jornal.

    "Se essa farsa não cair, o sistema seguirá simplesmente se replicando sem nunca mudar – e as esperanças de mais uma revolução ucraniana terão sido traídas" – conclui a publicação.

    Em total, a situação é assim: enquanto a Suprema Rada na terça-feira (16) não conseguiu demitir o governo liderado pelo primeiro-ministro Arseny Yatsenyuk, o Parlamento reconheceu o trabalho do governo como insatisfatório. O fracasso da votação para a renúncia do gabinete tem causado discordância na coalizão atual e provocou uma crise parlamentar. As facções Pátria e Autodefesa anunciaram sobre a saída da maioria parlamentar. Sem essas facções a coalizão não tem votos suficientes para aprovar leis.

    Mais:

    Documentário que revela massacres na Ucrânia estreia apesar da pressão de Kiev
    Turbulência continua: Premiê da Ucrânia convida parlamento a votar moção de confiança
    Mais um estrangeiro na chefia da Ucrânia?
    Tags:
    Ucrânia, Arseny Yatsenyuk, Pyotr Poroshenko, Foreign Policy, controle, parlamento, oligarquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar