22:33 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, em encontro com o premier húngaro, Viktor Orban, em Moscou

    Putin cobra de Kiev cumprimento dos acordos de Minsk e nega responsabilidade por sanções

    © AFP 2017/ MAXIM SHIPENKOV / POOL
    Mundo
    URL curta
    102064271

    O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quarta-feira que a Ucrânia precisa cumprir a sua parte nos acordos de Minsk e buscar a reconciliação com a região de Donbass, argumentando que essa seria a condição exigida pela Europa para retirar as sanções adotadas contra a Rússia.

    "As sanções foram unilateralmente impostas à Rússia pela União Europeia. E não depende de nós quando a UE irá suspendê-las. Nós ouvimos e continuamos ouvindo ainda hoje que isso depende, acima de tudo, da implementação dos acordos de Minsk pelos dois lados em conflito na Ucrânia. Qualquer observador objetivo pode ver que a bola está no campo das autoridades ucranianas. Elas devem, acima de todos, cumprir essas condições dos acordos de Minsk", declarou Putin após um encontro com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, em Moscou. 

    O líder russo lembrou que o acordo de paz assinado na Bielorrússia há um ano prevê reformas constitucionais na Ucrânia, acrescentando que a chave para pôr fim às hostilidades no leste do país é o processo político descrito no documento, segundo o qual essas reformas deveriam ter sido realizadas no final de 2015. 

    Os principais pontos dos acordos de Minsk incluem um cessar-fogo, a retirada de armas pesadas da linha de contato entre os rebeldes e o exército ucraniano e uma reforma na Constituição ucraniana, garantindo a descentralização de poder no país e um status especial para as repúblicas de Donbass. 

    Mais:

    Ucrânia admite que não está pronta para ser membro pleno da OTAN
    'Ucrânia pode ser alvo de sanções europeias'
    Tags:
    Acordos de Minsk, União Europeia, Viktor Orban, Vladimir Putin, Ucrânia, Donbass, Moscou, Bielorrússia, Minsk, Hungria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik