09:43 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    As Forças Marítimas dos países da UE no início da segunda fase da operação naval da UE contra os traficantes de pessoas no Mediterrâneo pretendem operar nas águas territoriais da Líbia

    Operação Sophia: WikiLeaks vaza planos militares da UE contra refugiados

    © AFP 2017/ ALBERTO PIZZOLI / AFP
    Mundo
    URL curta
    7236272

    O WikiLeaks divulgou hoje (17) um relatório confidencial que detalha as operações militares da União Europeia contra os fluxos de refugiados no Velho Continente.

    ​O documento vazado, datado de 29 de janeiro de 2016, é escrito pelo comandante da chamada Operação SOPHIA, o contra-almirante Enrico Credendino, da Marinha italiana, e é endereçado ao Comitê Militar da União Europeia (EU) e o Comitê Político e de Segurança da UE.

    Cidadãos líbios agitam bandeiras nacionais da Líbia durante a demonstração em comemoração ao 64 aniversário de independência do país, Tripoli, Líbia, 25 de dezembro de 2015
    © AFP 2017/ MAHMUD TURKIA
    Estatísticas sobre os fluxos de refugiados e detalhes sobre as fases realizadas e planejadas da operação organizada pelas forças conjuntas da UE que operam no Mediterrâneo são listadas no relatório.

    O documento também pede que os órgãos responsáveis da UE ajudem a acelerar o processo de formação de um governo "confiável" na Líbia, o qual pudesse "convidar" as forças da UE a operar dentro das águas territoriais do país e, mais tarde, permitir a extensão das operações militares da UE em terra.

    "Através do desenvolvimento das capacidades e habilidades da Marinha e da Guarda Costeira da Líbia, seremos capazes de dar às autoridades líbias algo em troca de sua cooperação na resolução da questão da imigração irregular. Esta colaboração poderia representar um dos elementos da abordagem abrangente da UE para ajudar a garantir o convite [da Líbia] para operarmos dentro de seu território durante as atividades da Fase 2", afirma o texto.

    ​O novo vazamento do Wikileaks se dá em menos de cinco meses após a notícia de que a Operação SOPHIA seria composta por 22 Estados membros e 1.300 oficiais e funcionários da UE que se encarregariam de deter navios “suspeitos” no Mediterrâneo.

    O objetivo principal da operação iniciada em 27 de julho de 2015, segundo o Instituto da União Europeia para Estudos de Segurança, não é parar os fluxos migratórios, mas interromper as rotas de contrabando usadas por traficantes de seres humanos.

    O Instituto observou, no entanto, que há uma "real incerteza sobre se a operação será capaz – seja por razões legais ou políticas – de chegar ao núcleo do seu mandato, isto é, de neutralizar as redes de contrabando através da dissuasão ou da coerção explícita, tanto ao largo da costa da Líbia quanto em terra".

    O estudo também nota que, independentemente do apoio da operação por parte dos Estados membros da UE, "muito poucos" devem "ter as habilidades e a experiência para tais missões, para não falar da vontade".

    Mais:

    Vice-secretário de Estado dos EUA diz que refugiados ameaçam integração europeia
    Depois de Colônia, alemães têm mais cautela com refugiados
    Erdogan ameaçou União Europeia de abrir fronteiras para refugiados
    Tags:
    Operação Sophia, tráfico de pessoas, refugiados, WikiLeaks, Líbia, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik