16:58 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Ministros das Relações Exteriores do quarteto de Normandia

    Próximas negociações da Normandia se realizarão até março

    © REUTERS/ Michael Sohn/Pool
    Mundo
    URL curta
    160840

    A próxima reunião no "formato da Normandia' ao nível ministerial será realizada no início de março ou antes, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores alemão.

    No dia 13 de manhã, o chanceler russo, Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Pavel Klimkin, e um alto diplomata do Ministério do Exterior da França, Nicolas de Riviere, reuniram-se em Munique para discutir a situação no Leste da Ucrânia.

    "A próxima reunião no ‘formato de Normandia’ ao nível ministerial será realizada até março”, disse o ministério em comunicado.

    O encontro de hoje não resultou em avanços e era «preliminar» porque o chanceler francês não estava presente, afirmou Pavel Klimkin após a reunião. 

    «Hoje, infelizmente, somente conseguimos, tendo em conta a falta de tempo, trocar opiniões. As conversações em concreto sobre como corrigir a situação em todas estas áreas, ocorrerão, espero, nas próximas semanas, quando pudermos falar não à margem de qualquer fórum mas sim discutir tudo em detalhes», disse o ministro russo.

    As principais negociações sobre a resolução do conflito ucraniano ocorrem no formato do chamado “quarteto da Normandia”, formado após o encontro na Normandia em meados de 2014 para comemorar o 70º aniversário do desembarque das tropas aliadas na Segunda Guerra Mundial. Fazem parte deste grupo a Rússia, Alemanha, França e Ucrânia.

    Mais:

    Turbulência continua: Premiê da Ucrânia convida parlamento a votar moção de confiança
    ‘Dias Negros na Ucrânia’: Sputnik lança documentário revelador (VÍDEO)
    Documentário sobre massacres na Ucrânia repercute no Parlamento Europeu
    Tags:
    crise ucraniana, Quarteto da Normandia, Sergei Lavrov, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik