09:35 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Coreia do Norte lança o satélite Kwangmyong 4

    Moscou passou tecnologia de mísseis à Coreia do Norte? Absurdo!

    © AFP 2018 / YONHAP / NORTH KOREAN TV
    Mundo
    URL curta
    3324

    O vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, chamou de “disparate” as acusações de que a Rússia teria passado as tecnologias de mísseis balísticos à Coreia do Norte, sublinhando que Moscou observa o regime de não-proliferação destes armamentos.

    No domingo (7) às 9:01 (horário local), a Coreia do Norte lançou um foguete de longo alcance com um satélite, a partir do cosmódromo de Sohae, no litoral ocidental do país, o que provocou forte reação da comunidade internacional.

    A agência sul-coreana Yonhap citou fontes militares segundo as quais alguns dos componentes do míssil podiam alegadamente ser provenientes da Rússia.

    Rogozin, responsável no governo pelo ramo espacial, disse ao jornal russo Kommersant que a informação sobre a exportação da tecnologia a Pyongyang é “um disparate e asneira absoluta que não corresponde nem minimamente à realidade”.

    “Observamos completamente o regime de não-proliferação das tecnologias de mísseis, a comissão sob a minha chefia nunca solicitaria tal permissão para a Coreia do Norte”, afirmou o vice-ministro.

    O representante oficial da agência espacial russa Roscosmos, Igor Burenkov, confirmou as suas palavras à edição.

    No domingo o Ministério das Relações Exteriores condenou as ações da Coreia do Norte, já que são uma violação das teses da resolução do Conselho de Segurança da ONU e podem levar a um agravamento sério da situação na península Coreana e no nordeste da Ásia em geral.

    Mais:

    Rússia pede que novas sanções não levem Coreia do Norte ao colapso
    EUA querem implantar defesa antimíssil na Coreia do Sul
    CS da ONU faz reunião de emergência após foguete norte-coreano
    Tags:
    míssil balístico, tecnologia, Dmitry Rogozin, Coreia do Norte, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik