22:18 18 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Petróleo do Daesh vai parar na Turquia? (24)
    16541
    Nos siga no

    Os jatos da Força Aérea síria pulverizaram as posições do Daesh na parte oriental da província de Aleppo no sábado (6), causando sérios danos à estrada principal usada pelos militantes para enviar colunas de caminhões com petróleo para a vizinha Turquia.

    Exército sírio ataca Daesh na província de Aleppo, em 24 de janeiro 2016
    © AFP 2019 / GEORGE OURFALIAN
    Enquanto isso, o exército sírio e as forças de Hezbollah avançaram na cidade estratégica de Tal Rafat, no norte da província, comunicou a agência de notícias iraniana Fars.

    Em um desenvolvimento paralelo, aviões de combate sírios lançaram ataques aéreos pesados sobre os centros de concentração de militantes em várias partes de Damasco, Dara'a, Deir ez-Zor, Hama, Aleppo e Idlib.

    As partes do nordeste e do norte da província de Aleppo ainda são cenas de confrontos violentos entre o exército sírio e os militantes, já que as forças do governo continuam a sua ofensiva no norte em uma tentativa de fechar a fronteira com a Turquia.

    "As tropas do Exército estão envolvidos em combates pesados com os terroristas perto de Manbij nos territórios do nordeste da província de Aleppo, o que causou a morte de muitos militantes", disse o Exército em um comunicado.

    As Forças Armadas sírias e unidades populares aliadas também lançaram uma série de ataques contra as bases e centros de concentração do Daesh e da Frente al-Nusra no leste e sudeste de Aleppo, no sábado, matando e ferindo muitos terroristas, escreveu a Fars.

    Tema:
    Petróleo do Daesh vai parar na Turquia? (24)

    Mais:

    Ministério sírio: ataques a Damasco tentam atrapalhar conversas em Genebra
    Exército sírio repele ofensiva da Frente al-Nusra perto das Colinas de Golã
    Terroristas fogem enquanto exército sírio avança em Aleppo
    Tags:
    avanço, Exército da Síria, Frente al-Nusra, Daesh, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar