05:36 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    251
    Nos siga no

    Os pais de um cidadão britânico suspeito de viajar para a Síria para se juntar ao Daesh (também conhecido como Estado Islâmico) foram presos por tentar enviar dinheiro para o filho, muçulmano convertido, que supostamente precisava comprar óculos novos.

    Jack Letts, apelidado de "Jihad Jack", foi recentemente noticiado na mídia britânica como sendo suspeito de ser o primeiro cidadão britânico branco a se unir às fileiras do grupo terrorista.

    A alegação é fortemente rejeitada por Letts e por sua família. No último dia 30, em entrevista pelo aplicativo Telegram ao jornal The Independent, o suposto jihadista negou a acusação de ter se juntado ao Daesh, mas admitiu que foi para a Síria para espalhar a mensagem de Alá e para lutar pela queda do Presidente Bashar Assad. 

    Além disso, ele teria chamado o primeiro-ministro britânico, David Cameron, de “criatura maléfica”, e dito que “a coalizão liderada pelos Estados Unidos [na Síria] é um plano tramado nos corações e mentes doentes de alguns dos inimigos de Alá”.  

    Mohammed Emwazi
    © REUTERS / SITE Intel Group/Handout via Reuters/Files
    Convertido ao islamismo na adolescência, o britânico de 20 anos, que agora atende pelo nome de Abu ou Ibahim Mohammed, abandonou sua casa em Oxford e partiu para o território da Síria controlado pelo Daesh em 2014. 

    Seus pais, Sally Lane e John Letts — respectivamente, uma ex-editora de livros e um fazendeiro orgânico —, negam veementemente a alegação de que o filho teria se unido ao Daesh e afirmam se sentir “traídos” pela cobertura da mídia sobre a história, segundo reporta o The Independent. Presos sob a lei antiterrorismo britânica por tentar enviar dinheiro ao filho, eles insistem que a quantia seria usada para a compra de um novo par de óculos.

    ​Em entrevista ao Channel 4 News, o casal disse temer que seu filho não saia vivo da Síria.

    "Nós não sabemos exatamente onde ele está. Se você sabe que ele está em perigo ou não consegue enxergar direito… Que pais não tentariam conseguir para seu filho um par de óculos, se ele não consegue enxergar direito?", declarou o Sr. Letts. "Eu estou furioso, realmente. Estou muito irritado. Eu acho que é uma loucura que não possamos enviar um centavo para o nosso filho doente para ajudá-lo a sair ou para ajudá-lo de qualquer maneira, porque nós vamos ser vistos como apoiadores do terrorismo", continuou. 

    De acordo com os pais de Jack, o jovem também sofre de um Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) gravíssimo, diagnosticado na infância. Para Sally e John, a condição levou o filho a estudar o Alcorão.

    Segundo a polícia do Reino Unido, cerca de 700 pessoas são suspeitas de deixar a Grã-Bretanha e viajar à Síria e ao Iraque para se juntar a várias organizações jihadistas. Outros dados, no entanto, sugerem que o número é mais que o dobro das estimativas oficiais da polícia.

    "Nós ainda estamos vendo pelo menos cerca de cinco pessoas saindo do Reino Unido para a Síria e o Iraque a cada semana — e isso para não contar as que não sabemos", disse uma fonte de inteligência estrangeira citada pelo Sunday Times.

    Mais:

    Se a Rússia vencer o Daesh para onde irão os milhares de jihadistas?
    Tropas turcas mostram amizade aos jihadistas do Daesh
    Maus vizinhos: jihadistas, OTAN e UE coexistem em Bruxelas
    Tags:
    jihadista, mídia, presos, óculos, dinheiro, lei antiterrorista, Estado Islâmico, Daesh, Jack Letts, Jihadi Jack, Síria, Reino Unido, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar