23:36 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Assembleia Nacional da Venezuela
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

    Missão de deputados venezuelanos de oposição não deve alterar relações Brasil-Venezuela

    Mundo
    URL curta
    534

    A Assembleia Nacional da Venezuela, agora sob controle da oposição, prepara uma nova ofensiva diplomática contra o Governo de Nicolás Maduro, com o envio de uma comitiva de deputados da oposição ao Senado brasileiro, onde serão recebidos em audiência pública na Comissão de Relações Exteriores, no próximo dia 25.

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    A comitiva, que será liderada pelo presidente da Comissão de Política Exterior do Parlamento venezuelano, Luis Florido, vai tentar buscar a adesão do governo brasileiro aos esforços que a oposição vem desenvolvendo para tentar antecipar o fim do mandato de Maduro, previsto para 2019. Procurada, a assessoria do Senado não confirmou nem a agenda nem a data do encontro.

    Nas eleições legislativas de dezembro passado, a frente de oposição conquistou a maioria da Assembleia Nacional, encerrando mais de uma década de controle do chavismo sobre o legislativo. A princípio, a oposição conquistou pouco mais de dois terços das cadeiras, o que lhe dava maioria qualificada, abrindo espaço para propor uma série de mudanças legislativas significativas no país, entre elas a convocação de um plebiscito para encurtar o mando do presidente da república. Após denúncia de irregularidades no processo eleitoral, contudo, feitas pela Justiça, três candidatos oposicionistas decidiram abrir mão de seus mandatos, o que fez a oposição perder a maioria absoluta e deter apenas a maioria simples, o que reduz, na prática, a margem de manobras e pressões contra o governo.

    Para o deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ), é preciso ver até que ponto essa comitiva de deputados venezuelanos que vem ao país representa a atual diversidade da Assembleia Nacional.

    “Essa comissão, pelo visto, não será representativa dessa diversidade. A Venezuela tem um instrumento jurídico interessante que é o da Revogabilidade do Mandato, e que já foi utilizado contra o ex-presidente Hugo Chavez. Chamada a se manifestar, no entanto, a população decidiu pela manutenção do presidente no poder.”

    Alencar diz, ainda, que o fato de Nicolás Maduro estar enfrentando momentos de impopularidade não dá à oposição mandato legal para sua destituição, muito menos sumária, como se articula.

    “É nossa obrigação ouvir essa comitiva e suas ponderações. Entendo que o governo brasileiro, diante dessa nova realidade, tenha uma posição igualitária, ouvindo a oposição, mas pedindo ao governo respeito aos princípios democráticos e constitucionais da Venezuela. Creio que as relações entre governos devem ser pautadas pelo respeito à soberania de cada país”, finaliza Alencar.

    Mais:

    Supremo Tribunal da Venezuela declarou nulas as decisões da Assembleia Nacional
    Sem validade constitucional, Parlamento da Venezuela recebe projeto de anistia
    Argentina se realinha com Brasil em relação à Venezuela
    Nicolás Maduro diz ter provas de que oposição comprou votos na Venezuela
    Rússia manifesta apoio à Venezuela após vitória da oposição a Nicolás Maduro
    Opinião: Venezuela espera diálogo entre Governo e oposição
    Tags:
    relações bilaterais, PSOL, Congresso Nacional, Assembleia Nacional, Chico Alencar, Hugo Chávez, Nicolás Maduro, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik