06:46 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Julian Assange, fundador do WikiLeaks.

    Suécia: Parecer da ONU não impactará investigação criminal sobre Assange

    © AFP 2018 / John Stillwell
    Mundo
    URL curta
    102

    A investigação do caso Julian Assange, fundador do WikiLeaks, não será afetada pela avaliação do painel da ONU sobre a arbitrariedade de sua detenção, segundo declarou a Procuradoria sueca em comunicado nesta quinta-feira (4).

    "A declaração do Grupo de Trabalho [da ONU sobre Detenção Arbitrária] não tem impacto formal sobre a investigação em curso, de acordo com a lei sueca", declarou a Autoridade Sueca de Procuradoria (Åklagarmyndigheten).

    ​No começo do dia, um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Suécia e um relato da BBC notificaram que o painel da ONU havia determinado que a detenção de Assange é arbitrária e ilegal.

    ​O WikiLeaks disse que "está esperando por uma confirmação oficial" da notícia, o que só deverá acontecer amanhã, sexta-feira (5), quando o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos fizer uma declaração oficial sobre o assunto.

    ​Assange reside na embaixada equatoriana em Londres desde 2012 para evitar a extradição, primeiro para a Suécia, onde foi acusado de agressão sexual, e também para os Estados Unidos, onde ele poderia enfrentar acusações de espionagem devido à publicação de documentos secretos do governo norte-americano por meio do WikiLeaks.

    Em 12 de setembro de 2014, Assange apresentou uma queixa contra Londres e Estocolmo para o Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenção Arbitrária.

    We will release tomorrow morning, 9am CET, the opinion of the UN Working Group on whether Julian #Assange is being…

    Posted by United Nations Human Rights on Thursday, February 4, 2016

    Mais:

    Equador e Suécia chegam a acordo para interrogar Assange
    Asterix e WikiLeaks: Julian Assange inspira cartunistas
    Tags:
    parecer, detenção arbitrária, grupo de trabalho, embaixada, avaliação, investigação, justiça, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, WikiLeaks, ONU, Julian Assange, Londres, Equador, Suécia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik