04:06 22 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Gasoduto em Beregdaroc, Hungria, um dos pontos de passagem do gás russo à UE

    Gazprom nega querer uma 'guerra de preços' no mercado de gás europeu

    © REUTERS/ Laszlo Balogh
    Mundo
    URL curta
    3162

    A companhia russa Gazprom disse nesta quinta-feira (4) que não vê necessidade de reduzir os preços de seu gás enquanto o gás natural liquefeito (GNL) dos Estados Unidos tenta ganhar espaço de mercado na Europa.

    "Não há nenhuma necessidade para nós de abrir uma guerra de preços… Não há descontos em nossos contratos de longo prazo, há uma fórmula que define os preços para o nível correspondente à situação do mercado", disse o vice-presidente da Gazprom, Aleksandr Medvedev.

    Ele acrescentou que a empresa não vê nenhum sentido em fornecer GNL para a Europa, já que as exportações para os países asiáticos podem trazer grandes lucros para os produtores. "Portanto, estamos calmos, mas alertas", disse o executivo, acrescentando que, se necessário, a Gazprom poderá usar as reservas e reduzir os custos de produção e transporte.

    O jornal Financial Times (FT) informou anteriormente que a Gazprom estava considerando entrar em uma guerra de preços de gás na Europa, semelhante à estratégia aplicada pela Arábia Saudita no mercado de petróleo. O objetivo seria expulsar o GNL norte-americano de alto custo do mercado europeu.

    "Por que você concederia quota de mercado a um produtor de custo mais elevado? Se eu fosse um investidor em GNL dos EUA, estaria preocupado", disse James Henderson, especialista em petróleo e gás russo no Instituto Oxford para Estudos Energéticos, citado pelo FT.

    De acordo com Henderson, assim como a Arábia Saudita é em termos de petróleo, a Gazprom é um dos produtores de gás de menor custo no mundo.

    Mais:

    Rússia fornece gás a cidade ucraniana congelada
    Bulgária pretende se tornar novo fornecedor de gás para Europa
    Rússia e Índia negociam exploração conjunta de petróleo e gás no Ártico
    Tags:
    guerra, mercado, preços, petróleo, gás, Gás Natural Liquefeito, GNL, Gazprom, Financial Times, Arábia Saudita, EUA, Rússia, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik