18:56 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Hospital do Médicos Sem Fronteiras bombardeado pelos EUA no norte do Afeganistão em 3 de outubro de 2016

    Comandante americano diz que Afeganistão está em risco e precisa dos EUA

    © AP Photo / Médecins Sans Frontières
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    5016

    O comandante da Missão de Apoio Resoluto dos EUA, general John Campbell, disse nesta quinta-feira que o crescimento do terrorismo nos últimos anos deixou o Afeganistão exposto a muitas ameaças e, sendo assim, seria um erro reduzir a presença norte-americana no país agora.

    "Grupos aliados ao Talibã, como a Al-Qaeda e a Rede Haqqani, certamente não são 'ameaças residuais' que permitiriam uma transição pacífica no Afeganistão", disse Campbell em discurso para o Comitê de Serviços Armados do Senado norte-americano. "Ao contrário, eles são ameaças persistentes que estão se adaptando a um ambiente operacional em mudança". 

    Ao longo do último ano, forças de segurança afegãs, assim como tropas dos EUA e da Otan, enfrentaram uma série de novas ameaças no Afeganistão, incluindo, principalmente, o crescimento das atividades do Daesh na província de Khorasan. Nesse contexto, de acordo com o general, é fácil notar que o país ainda "não atingiu um nível de segurança e estabilidade que justifique a redução do apoio" de Washington em 2016. 

    Em outubro passado, o Presidente Barack Obama anunciou que os Estados Unidos iriam manter cerca de 9.800 homens no Afeganistão ao longo deste ano, e que esse número seria reduzido para 5.500 em 2017. 

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)

    Mais:

    Obama autoriza campanha norte-americana contra Daesh no Afeganistão
    EUA desperdiçaram meio bilhão de dólares em projetos de mineração e energia no Afeganistão
    Soldados americanos são vítimas de ataque no Afeganistão
    Tags:
    OTAN, Rede Haqqani, Al-Qaeda, Talibã, Barack Obama, Khorasan, Washington, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik