01:38 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente francês Francois Hollande recebe o chefe de Estado de Cuba, Raúl Castro

    Adeus, Guerra Fria: O que significa a visita de Raúl Castro a Paris

    © REUTERS / Philippe Wojazer
    Mundo
    URL curta
    Normalização de relações entre Cuba e EUA (67)
    1130

    Após a visita de François Hollande a Cuba em maio de 2015 – a primeira de um líder europeu ao país em 50 anos – o presidente da ilha caribenha, Raúl Castro, completou ontem (3) uma histórica visita de Estado a Paris – a primeira de um líder cubano a um país da União Europeia.

    ​Recebido com honras militares no Arco do Triunfo, após ter percorrido uma Champs Elysées especialmente decorada com bandeiras francesas e cubanas para a ocasião, Castro se reuniu com Hollande no Palácio do Eliseu na segunda-feira (1º).

    Os dois líderes reafirmaram a vontade mútua de reforçar as relações bilaterais e o diálogo político e assinaram acordos específicos relativos ao setor de transportes e turismo. 

    Além disso, os chefes de Estado ressaltaram a importância do acordo alcançado entre Havana e o Clube de Paris em 12 de dezembro do ano passado para reformular a dívida cubana. Em virtude do convênio, Cuba conseguiu o perdão de 8,5 bilhões de dólares de seus credores.

    ​Na terça-feira (2), Castro se reuniu com altos funcionários na capital francesa. Ele começou o dia com uma reunião com a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, na sede da organização em Paris.

    ​Depois, o chefe de Estado cubano se reuniu sucessivamente com o presidente da Assembleia Nacional da França, Claude Bartolone, com o presidente do Senado, Gerard Larcher, com a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, e como o primeiro-ministro Manuel Valls.

    ​Após as reuniões, Castro fez uma visita ao Museu do Homem, cuja reforma foi recentemente concluída.

    ​Além disso, ainda na terça-feira, ele participou de um fórum empresarial na sede do Movimento de Empresas da França, onde abordou novas oportunidades de investimento e negócios na ilha.

    ​Desde 1991, a França tem pedido a suspensão do embargo econômico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que, instituído em 1962 no contexto da Guerra Fria, impõe até hoje grandes obstáculos para o desenvolvimento do país latino-americano.

    ​Segundo afirmou Hollande na declaração conjunta após o encontro com Castro, o presidente dos EUA, Barack Obama, “deve agora seguir adiante e permitir que este vestígio da Guerra Fria se encerre".

    Washington anunciou a normalização das relações com Havana no final de 2014, mas o bloqueio econômico contra a ilha continua vigente.

    Apesar das dificuldades econômicas, entretanto, Cuba mostra “estatísticas lisonjeiras em matéria de saúde e educação”, segundo lembrou o jornal francês Le Monde durante a visita de Castro a Paris.

    Tema:
    Normalização de relações entre Cuba e EUA (67)

    Mais:

    Opinião: acusações de Cuba de que EUA introduziram dengue na ilha podem ser verdadeiras
    Míssil norte-americano enviado para Cuba por engano
    Obama pede que Congresso encerre embargo contra Cuba
    EUA e Cuba devem estabelecer serviço de correios em 2016
    Rússia e Cuba fecham acordos de cooperação em Havana
    Tags:
    perdão, acordos, embargo, bloqueio econômico, relações bilaterais, diplomacia, dívida, saúde, economia, educação, turismo, Guerra Fria, Clube de Paris, Raul Castro, François Hollande, Barack Obama, Cuba, EUA, França, Paris
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik