04:46 24 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Daraya, um subúrbio de Damasco, durante combates entre o Exército Árabe sírio e terroristas

    Rússia suspeita que Turquia esteja preparando intervenção militar na Síria

    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Mundo
    URL curta
    1321541

    A Rússia suspeita que a Turquia possa estar realizando preparativos para invadir a Síria, disse o porta-voz do Ministério da Defesa da Federação da Rússia, Igor Konashenkov.

    "Temos motivos sérios para suspeitar que a Turquia realize intensivos preparativos para a intervenção militar no território de um Estado soberano, a República Árabe Síria", disse Konashenkov, falando com os jornalistas nesta quinta-feira (4).

    A Turquia faz parte da coalizão internacional antiterrorista que, sob a chefia dos Estados Unidos, combate o grupo terrorista Daesh (sigla árabe do "Estado Islâmico do Iraque e do Levante"). A Rússia também combate o Daesh, mas não faz parte dessa coalizão "grande". Em 30 de setembro de 2015, Moscou iniciou oficialmente a campanha aérea na Síria, após o pedido correspondente de Damasco. 50 aviões militares chegaram à base aérea de Hmeymim, situada na província síria de Latakia, para prestarem apoio aéreo às tropas sírias no seu combate aos grupos terroristas Daesh e Frente al-Nusra.

    Em 24 de novembro, dois meses depois do início da operação russa, a aviação turca derrubou um Su-24 russo que estava voltando a Hmeymim. Ancara alega razões de segurança: o avião russo teria violado o espaço aéreo turco. Já a parte russa insiste que não houve tal violação e que, além disso, os pilotos não tinham recebido nenhuma advertência da aviação turca.

    Na semana passada, a Turquia voltou a acusar a aviação russa de ter violado, mais uma vez, o seu espaço aéreo. A Rússia não confirma este fato. Contudo, o avião chegou à base são e salvo. No domingo, o Departamento da Defesa dos EUA apelou Ancara e Moscou a não escalarem a tensão.

    Tags:
    Igor Konashenkov, Turquia, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik