09:10 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Um participante do Fórum Midiático dos BRICS

    Como o Ocidente pressiona países emergentes?

    Photohost dos BRICS
    Mundo
    URL curta
    BRICS em 2016 (30)
    31254181

    Especialistas do Centro russo de Estudos Econômicos participaram da mesa redonda organizada pela agência internacional de notícias Rossiya Segodnya sobre o papel do Ocidente na reforma e desenvolvimento da economia mundial.

    No âmbito da mesa redonda os economistas russos apresentaram também o relatório “Oriente contra Ocidente: Luta pela Reforma da Economia Mundial”.

    Os participantes tocaram em vários temas importantes na agenda econômica e política atual, inclusive em vários acordos ambíguos, por exemplo, o TTIP, o TTP e o TiSA, as tentativas ocidentais de minar os projetos do BRICS e manter o sistema estabelecido pelos EUA.

    ​Estes acordos têm sido muito criticados pelo seu secretismo e pelo fato de que, se forem assinados, as empresas multinacionais terão mais poder de controle do que os governos.

    Comentando este tema, o chefe do Setor da Economia Estrangeira, Sergei Karataev, destacou que toda a informação divulgada sobre o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) contém citações do documento, mas é impossível obter a íntegra do texto pois esta nunca foi tornada pública.

    Cabe mencionar também que não existe a íntegra do acordo, todos os dados foram publicados pelo portal de denúncias WikiLeaks.

    Além disso, ele sublinhou que todos os pontos do TTIP são principalmente favoráveis aos países já desenvolvidos, porque as condições previstas no acordo tratam das áreas da economia que os países em desenvolvimento não podem controlar de forma mais ampla. Quer dizer, por exemplo, o país já desenvolvido pode controlar e estabelecer limites na área da ecologia, mas aquele país que só começa desenvolver o setor industrial não pode ao mesmo tempo respeitar plenamente as regras e limites que o acordo prevê para emissão de gases de estufa.

    Karataev fez lembrar que nas economias da Rússia e da China as empresas estatais desempenham um papel importante e que o acordo TTIP visa regular isso.

    “Em particular, ele diz que empresas estatais não devem receber quaisquer vantagens da participação estatal. De um ponto [de vista] a regra é justa em geral, mas a questão é no direito de aplicação,” disse.

    O especialista notou que qualquer país-participante do TTIP poderá levar a tribunal, por exemplo, o gigante energético russo Gazprom alegando, por exemplo, que a empresa viola o acordo em determinado ponto.

    E os participantes não evitaram comentar a recente publicação que continua atraindo a atenção do jornal britânico Financial Times. A redação da Sputnik decidiu deixar vocês mesmos ouvir isso no vídeo abaixo.

    Economista russo desmente rumores sobre ‘morte’ do BRICS
    Vyacheslav Kholodkov (no vídeo), o chefe do Setor de Instituições Econômicas Internacionais do Centro de Estudos Econômicos, destacou que a criação de novas instituições do BRICS (Novo Banco, por exemplo) é uma alternativa às do sistema Bretton-Woods (quer dizer, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial).

    Tema:
    BRICS em 2016 (30)
    Tags:
    países em desenvolvimento, Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), economia, BRICS, Ocidente, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik