03:43 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Protesto na Praça Maidan em Kiev, 22 de fevereiro

    Documentário que revela massacres na Ucrânia estreia apesar da pressão de Kiev

    © Sputnik / Andrei Stenin
    Mundo
    URL curta
    11341
    Nos siga no

    O canal francês Canal + transmitiu o documentário sobre a revolução ucraniana, apesar da irritação da Embaixada da Ucrânia.

    Desde a divulgação dos primeiro vídeos promocionais, os diplomatas ucranianos tentaram influenciar a decisão do Canal + de transmitir o filme "Máscaras da revolução”, do documentarista Paul Moreira. "Este é um panfleto produzido sob a pior tradição da desinformação", escreveu a Embaixada da Ucrânia na França em sua conta do facebook. 

    A irritação do governo ucraniano deve-se à intenção de Paulo Moreira de contar dois episódios importantes do início do conflito ucraniano: o surgimento de unidades paramilitares formadas por opositores do governo bem como o massacre em Odessa em 2 de maio de 2014.

    Em relação à tragédia em Odesa, o diretor francês tentou falar com testemunhas e participantes dos eventos, tanto com as vítimas, quanto com os nacionalistas para conseguir uma imagem imparcial e multifacetada. 

    "Mais de quarenta pessoas foram queimadas vivas no centro de uma cidade europeia no século XXI com dezenas de câmeras e telefones inteligentes em toda parte, e ninguém geralmente lembra esta tragédia", disse Moreira em seu blog dedicado à crítica de seu trabalho.

    "Durante meus estudos sobre o massacre — muitas vezes ignorado em nossa mídia —, tenho percebido a importância das milícias nacionalistas", disse Moreira. “Os batalhões de voluntários não são parte do exército, não estão sob a mesma disciplina, pode complementar o governo ou criar uma força policial paralela, e às vezes mostram uma ideologia neo-nazista”, diz o diretor.

    Moreira acredita que a integração gradual dos radicais nas forças de segurança ucranianas foi devido à fraqueza das autoridades da época e apresenta um desafio para o futuro, visto que os batalhões de voluntários mantêm certa autonomia em relação ao controle central e, por vezes, têm as suas próprias linhas de abastecimento.

    Além disso, o diretor destacou em seu filme as frequentes visitas de diplomatas norte-americanos à Ucrânia e a brusca mudança de diretriz do país em proximidade com os Estados Unidos depois da revolução. "Parece que a Ucrânia era um peão no xadrez geopolítico dos EUA contra a Rússia", diz ele no documentário.

    As conclusões de Paulo Moreira contradizem a posição oficial de Kiev, que considera as milícias nacionalistas como patriotas do país. Quanto aos eventos em Odessa, as autoridades ucranianas afirmam realizar uma investigação, mas desde a tragédia ninguém com cargos oficiais foi acusado, e os assaltantes do Edifício de Sindicatos continuam foragidos.

    Mais:

    Mídia: Manifestantes esconderam-se na embaixada do Canadá durante protestos de Maidan
    Eurodeputados exigem respostas de Kiev sobre assassinatos na Maidan e massacre em Odessa
    Um ano depois de Maidan, ucranianos buscam refúgio no exterior
    Massacre na Ucrânia: 'Pela primeira vez, a gente investiga'
    Tags:
    manifestações, documentário, nacionalismo, Maidan, Odessa, Kiev, França, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar