15:45 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Militantes do Daesh (Estado Islâmico) em comboio rumo ao IraqueVista a LisboaCentro de Madri, Espanha

    Daesh faz novas ameaças a Espanha e Portugal

    © AP Photo / Militant website via AP, File © AFP 2019 / PATRICIA DE MELO MOREIRA Bianka Petrovics/ Divulgação
    1 / 3
    Mundo
    URL curta
    334
    Nos siga no

    Em um vídeo publicado pelo grupo terrorista, um jihadista afirma que os “inimigos” do Daesh irão sofrer um ataque tão violento “que os vão fazer esquecer o 11 de setembro”.

    O militante do Daesh refere-se no vídeo ao Al-Andalus (designação dada à Península Ibérica durante os séculos do domínio muçulmano), é dito:

    “A Península Ibérica jamais será esquecida <…> Al-Andalus tem paciência. Não eras espanhola nem portuguesa, mas sim muçulmana”, palavras citadas pelo El Mundo.

    “Nenhum muçulmano pode esquecer Córdoba, Toledo e Xátiva (Valência). Há muitos muçulmanos sinceros e fiéis que juram recuperar Al-Andalus. Juro que pagareis um preço muito alto e que o vosso final será muito doloroso. Se Deus quiser, recuperaremos Al-Andalus”, diz o jihadista mascarado falando no vídeo. 

    A Sputnik pediu um comentário ao Ministério português da Administração Interna, sobre estas informações da mídia. A porta-voz do ministério, Patrícia Cerdeira, afirmou que as autoridades seguem todas as informações da imprensa, estão em contato permanente com todos os Estados-membros da União Europeia mas que o trabalho por si desenvolvido, naturalmente, não pode ser do domínio público.  

    "O combate ao terrorismo não é uma coisa pública, é uma coisa que se faz de portas para dentro. Obviamente que, se temos informação de órgãos de comunicação social, estamos atentos. A partir do momento em que a situação é normal em cada Estado-membro, não vale a pena estarmos a reagir cada vez que há uma informação deste tipo. Passa-lhe pela cabeça quantos alertas é que há diariamente ao nível dos Estados-membros nestas matérias? O terrorismo é uma coisa que é para ser tratada nos sítios certos. E o sítio certo não é na opinião pública. Porque senão tem um efeito contraproducente, que é entrarmos todos em histeria e em alarme social e não há necessidade nenhuma disso. Obviamente que estamos preocupados, só que estas coisas não são publicitadas. Mal será quando elas tiverem que ser publicitadas, é mau sinal. Isto são operações policiais, de investigação criminal, as coisas passam-se na retaguarda. Estas informações na imprensa podem instalar o sentimento de insegurança nas sociedades. A informação só é dada em último caso. É uma atividade permanente. Portugal mantém-se atento a todos os sinais que ponham em causa a segurança do país e reafirma a sua confiança nas forças e serviços de segurança".

    Entretanto, a porta-voz deu a entender que o fato de não ter havido ainda atentados terroristas em Portugal não é razão para não estar atento. 

    "O terrorismo, como sabe, joga com a imprevisibilidade, temos que ter em conta que um dos lados piores do terrorismo é a sua imprevisibilidade".

    Já um ex-militar, o coronel Rodrigo Sousa Castro, falando sobre esta ameaça, disse-nos o seguinte:

    "Como pode o Estado Islâmico [também chamado de Daesh], após a decidida entrada em cena da Federação Russa, que obrigou os seus bandos a passarem para a defensiva, ameaçar seja quem for fora da sua cada vez mais reduzida e precária zona de influência? Para mim, trata-se de uma fanfarronada. Simplesmente uma fanfarronada".

    O grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e reconhecido como terrorista pelo Brasil) autoproclamou-se "califado mundial" em 29 de junho de 2014, tornando-se imediatamente uma ameaça explícita à comunidade internacional e sendo reconhecido como a ameaça principal por vários países e organismos internacionais. Porém, o grupo terrorista tem suas origens ainda em 1999, quando um jihadista de tendência salafita, o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, fundou o grupo Jamaat al-Tawhid wal-Jihad. Depois da invasão norte-americana no Iraque em 2003, esta organização começou a fortalecer-se, até transformar-se, em 2006, no Estado Islâmico do Iraque. A ameaça representada por esta entidade foi reconhecida pelos serviços secretos dos EUA ainda naquela altura, mas reconhecida secretamente, e nada foi feito para contê-la. Como resultado, surgiu em 2013 o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, que agora abrange territórios no Iraque e na Síria, mantendo a instabilidade e fomentando conflitos.

    Mais:

    Conflito à vista: Portugal terá premier de esquerda e presidente de direita
    Tags:
    terrorismo, Daesh, Portugal, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar