15:45 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Grafite em muro de Buenos Aires caricaturando o Juiz Thomas Griesa, que julga a questão dos Fundos Abutres em Nova York
    JUAN MABROMATA / AFP

    Mauricio Macri está perdendo a batalha com os fundos abutres

    Mundo
    URL curta
    13108905

    A Argentina enfrenta novo impasse na negociação da dívida de 2001 (à época, US$ 100 bilhões), com credores internacionais. Os chamados fundos abutre – 7,6% dos grandes credores que não aceitaram o desconto de 70% do valor de face dos títulos e o parcelamento em até 30 anos – exigem o desembolso de US$ 350 por cada US$ 1 devido.

    Para tentar contornar essa situação, o Presidente Mauricio Macri e a cúpula de sua equipe econômica estão no circuito Washington-Nova York buscando contornar mais esse impasse. A oferta de US$ 120 por cada US$ 1, porém, não foi aceita até agora pelos grandes fundos abutres, como Elliot Management, NM Dart, Olifont, ACP Master, entre outros.

    Para agravar a situação, o Banco Central da Argentina tem reservas internacionais estimadas hoje em US$ 20,6 bilhões, bem abaixo, por exemplo, dos US$ 380 bilhões do BC brasileiro. Sem crédito e sem novas fontes internacionais de investimento, o país enfrenta dificuldades para a retomada do crescimento econômico, o combate à inflação e a modernização do parque industrial.

    O diretor da RC Consultores, José Válter, afirma que os fundos abutres são hoje o principal entrave para se chegar a um acordo sobre a dívida argentina.

    “A Argentina pagou um valor abaixo do que devia porque não tinha como quitar o débito na ocasião. A maioria dos credores aceitou a proposta de refinanciamento, mas numa segunda etapa muitos investidores entraram na Justiça para receber o valor inteiro da dívida.”

    A Justiça americana deu ganho de causa aos fundos abutres e determinou que eles recebessem US$ 1,3 bilhão. O país vinha pagando aos demais credores, mas os pagamentos foram suspensos por decisão da Corte de Nova York, que exige que os desembolsos dessa dívida reestruturada só sejam retomados com a quitação do débito com os fundos abutres.

    Para o diretor da RC Consultores, a oferta de US$ 120 por US$ 1 devido a esses fundos pode representar uma janela de oportunidade.

    “É preciso negociar, porque só assim o país poderá voltar ao mercado financeiro internacional. Essa queda de braço só prejudica a Argentina, que passa por um momento difícil. Quando o barril do petróleo estava acima de US$ 100, a Venezuela ajudou, e o país tem recebido crédito também da China, mas o que a Argentina precisa é de uma solução de mercado.”

    Segundo José Válter, o maior risco neste momento é a liquidação compulsória da dívida com os fundos abutres, isso porque cláusulas do contrato de refinanciamento permitem que mesmo os credores que já aceitaram as condições de refinanciamento possam voltar à Justiça reclamando os mesmos direitos indenizatórios que os fundos receberiam. Alguns cálculos de mercado estimam o custo dessa hipótese em US$ 500 bilhões.

    “Creio que o Governo Macri está negociando da melhor forma que pode, com um discurso mais flexível, diferente do adotado pela ex-Presidente Cristina Kirchner. Ainda assim, vale observar que a banca de advogados contratada pela administração argentina nos Estados Unidos é especializada em confronto legal e não em negociação.”

    Mais:

    Protestos contra Macri param a Argentina pela libertação imediata de Milagro Sala
    Argentina abaterá aviões do tráfico de drogas: decreto de Macri provoca debates
    Argentina declara estado de emergência durante um ano
    Tags:
    reservas internacionais, fundos abutres, credores internacionais, dívida externa, Negociação, investimentos, Banco Central da República Argentina, Mauricio Macri, Cristina Kirchner, Nova York, EUA, Washington, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik