09:57 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Militares brasileiros na missão da ONU para o Haiti (Minustah)

    Eleições no Haiti: Instabilidade gera risco de intervenção estrangeira?

    © Marcello Casal Jr/ABr/Fotos Públicas
    Mundo
    URL curta
    148720

    O ministro da Informação do Haiti, Mario Dupuy, advertiu nesta nesta terça-feira (27) que a soberania do país corre o risco de ser violada se a violência interna continuar.

    Segundo relata a TeleSur, citando o ministro, o Haiti corre o risco de sofrer uma intervenção militar estrangeira se a oposição continuar a empregar ações violentas em seus protestos e se os atores políticos do país não conseguirem chegar a um acordo para escolher o próximo chefe de Estado.

    Segundo Dupuy, a soberania nacional está em jogo e poderia ser perdida se persistirem a violência na nação e as discrepâncias políticas para a realização do segundo turno das eleições presidenciais. 

    ​O mandato do atual presidente, Michel Martelly, termina no próximo dia 7 de fevereiro, mas, devido a denúncias de fraude eleitoral no primeiro turno das eleições que definiriam o próximo mandatário, a oposição convocou protestos e atos violentos que resultaram no adiamento do segundo turno – primeiro para o final de dezembro, depois para o último domingo (24), quando o pleito foi novamente adiado, desta vez sem previsão para uma nova data. 

    "Se continuarmos enviando sinais de que não podemos administrar o nosso país, vão fazer isso por nós (…). Podemos nos tornar um risco para nossos vizinhos do hemisfério", alertou Dupuy.

    ​Ele enfatizou a necessidade de manter a calma nas cidades, bem como a importância da estabilidade política para avançar no progresso econômico do Haiti. A este respeito, ele exortou os políticos a priorizar os interesses nacionais sobre as reivindicações pessoais e a facilitar a convocação das eleições.

    Segundo os opositores, as irregularidades observadas no primeiro turno favorecem o candidato de Martelly, Jovenel Moise. Diante das denúncias, o candidato da oposição, Jude Celestin, resolveu boicotar a disputa, acirrando a crise no país caribenho.

    Na segunda-feira (25), o Itamaraty emitiu um comunicado dizendo que “o Governo brasileiro acompanha com atenção a evolução da situação política” no Haiti, condenando “os recentes episódios de violência observados no país” e convocando “o amigo povo haitiano a expressar pacificamente suas opiniões”. 

    Desde 2004, o Brasil lidera a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah). Na época, o país do Caribe vivia um momento de extrema violência e instabilidade devido à renúncia de Jean-Bertrand Aristide, que teve sua vitória eleitoral de 2001 contestada pela oposição.

    Mais:

    ONU: eleições no Haiti e na Costa do Marfim foram pacíficas
    Tags:
    intervenção estrangeira, instabilidade, violência, protestos, crise, fraude eleitoral, segundo turno, eleições presidenciais, Minustah, Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti, Jovenel Moise, Jude Celestin, Michel Martelly, Mario Dupuy, Brasil, Haiti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik