11:27 20 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (177)
    471
    Nos siga no

    Não é mais a “guerra fria”, mas uma “paz fria” que constitui as atuais relações entre a Rússia e o Ocidente, segundo afirma o presidente búlgaro, Rosen Plevneliev.

    Falando nesta terça-feira (26) à Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (APCE), em Estrasburgo, Plevneliev cunhou a expressão “paz fria” para caracterizar uma suposta nova fase nas relações entre a Rússia e o Ocidente. Segundo o presidente da Bulgária, trata-se de uma conjuntura em que ninguém deseja um conflito militar, mas cuja retórica se assemelha à do período da Guerra Fria travada entre os EUA, de um lado, e a antiga União Soviética, de outro.

    "Entramos em uma fase que eu chamo de paz fria. É paz porque ninguém quer ter uma guerra, e ninguém quer voltar ao tempo da Guerra Fria. Mas é paz fria, porque, infelizmente, estamos vendo elementos, retórica e propaganda dos tempos da Guerra Fria", observou Plevneliev, acrescentando que o "jogo" mudou na Europa devido à crise ucraniana.

    De fato, as relações entre Moscou e o Ocidente — nomeadamente, os EUA, a União Europeia e seus aliados regionais – vêm se deteriorando desde 2014 em meio à crise na Ucrânia. O Ocidente, acusando o Kremlin de alimentar o conflito interno no país vizinho e de nutrir ambições expansionistas na região, já impôs várias rodadas de sanções contra a Rússia.

    Moscou, por sua vez, tem consistentemente negado as alegações ocidentais, denunciando, por outro lado, a crescente expansão da OTAN em direção às fronteiras russas.

    Quanto à questão da Crimeia, o Kremlin sustenta que a reintegração da península ao território russo não constituiu um ato de agressão, como afirmam Kiev e seus aliados ocidentais, mas sim um caso prático do princípio de autodeterminação dos povos que compõe o direito internacional, já que a decisão de se separar da Ucrânia e de se unir à Rússia foi endossada por mais de 96% da população local, em referendo democrático acompanhado por observadores internacionais.

    ​ No entanto, em resposta às medidas restritivas ocidentais, a Rússia anunciou, em agosto de 2014, um embargo de um ano à importação de diversos produtos alimentícios provenientes de países que haviam adotado as sanções antirrussas. A proibição foi renovada por mais um ano desde então.

    Tema:
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (177)

    Mais:

    Rússia reforçará tropas na Crimeia se for necessário
    Ucrânia ameaça cidadãos e empresas de Israel com negócios 'não autorizados' na Crimeia
    EUA forneceram treinamento e equipamentos militares à Ucrânia no valor de $266 milhões
    Turquia e Ucrânia aliam-se para manter ‘equilíbrio de poder’
    Tags:
    paz fria, embargo, sanções, Guerra Fria, Kremlin, Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, APCE, Rosen Plevneliev, União Europeia, EUA, Ucrânia, Crimeia, Bulgária, Ocidente, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar