05:22 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Um cartaz com uma imagem do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentado em Istambul, Turquia

    Curdos protestam em Genebra contra ações da Turquia

    © AP Photo / Emrah Gurel
    Mundo
    URL curta
    451
    Nos siga no

    Ativistas curdos protestaram em frente à sede da ONU em Genebra contra as ações da Turquia no sudeste do país. Os organizadores da manifestação conversaram com a agência Sputnik sobre suas motivações.

    “Ficamos três dias aqui e em outras cidades europeias para chamar a atenção sobre o que acontece na Turquia: o bloqueio e as matanças de civis, incluindo de crianças e mulheres, por conta das ações do Presidente Erdogan que utiliza armas contra a população civil”, disse Delsha Osman, um dos ativistas, à agência Sputnik. 

    Os manifestantes exigem que a comunidade internacional e a União Europeia tomem postura ativa e encontrem uma solução política para este problema. 

    As ações de Ancara, de acordo com os manifestantes, afetam não só os curdos, mas também os próprios turcos. 

    Delsha Osman pediu o fim dos ataques e do bloqueio nas regiões curdas, em particultar, na região de Diyarbakir, onde a situação humanitária se deteriorou drasticamente. 

    No final de dezembro do ano passado, a Turquia anunciou um toque de recolher nas províncias do sudeste de Sirnak, Diyarbakir e Mardin, onde continua o confronto entre o exército e os combatentes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido no país. 

    Após mais de dois anos de cessar-fogo, as hostilidades entre as forças militares e policiais turcas e do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) foram retomadas no verão passado, comprometendo as conversações de paz iniciadas em 2012 para pôr fim a um conflito que desde 1984 já deixou mais de 40 mil mortos.

    As autoridades turcas acreditam que o Partido de União Democrática (PYD) é afiliado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado oficialmente como uma organização terrorista na Turquia, apesar dos curdos sírios estarem envolvidos em batalhas severas com o Daesh (Estado Islâmico).

    Mais:

    Biden: Turquia não é exemplo de liberdade de expressão
    Ministério da Defesa da Rússia nega boatos sobre outro caça abatido pela Turquia
    Rússia pede que Turquia pare a política de extermínio dos curdos
    Turquia executou 600 membros do PKK desde dezembro de 2015
    Tags:
    protesto, PKK, Daesh, ONU, Recep Tayyip Erdogan, Região Autônoma do Curdistão, Genebra, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar