04:36 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Combatentes da milícia Peshmerga (curdos iraquianos) em Kobane

    Os curdos destroem ou não as casas dos árabes?

    © East News / Polaris Images/Frederic Lafargue
    Mundo
    URL curta
    371
    Nos siga no

    O relatório da Anistia Internacional acusa os curdos de destruírem as casas dos árabes, mas o Ministério para os Assuntos dos Peshmerga do Curdistão iraquiano tem outros dados.

    Na quarta-feira (20), a organização Anistia Internacional publicou um relatório que acusa as unidades de peshmerga do governo regional do Curdistão e a milícia curda no norte do Iraque de demolirem com buldózeres, explodirem e queimarem milhares de casas nas vilas árabes do norte do Iraque. Segundo o relatório, tal alegadamente mostraria a intenção dos curdos de expulsar as comunidades árabes, em resposta ao seu suposto apoio ao grupo terrorista Daesh.

    Ministério para os Assuntos dos Peshmerga desmente os dados da Anistia Internacional. O representante oficial do Ministério, Helgut Hikmet, disse que o relatório da organização não corresponde à realidade.

    “A organização que preparou o relatório não tem nenhumas provas documentais que lhe permitam fazer tais declarações. Destacamos que o relatório denota uma atitude preconcebida e não tem qualquer base probatória”, disse Hikmet.

    Segundo Hikmet, a destruição da maioria das casas nas regiões norte do Iraque teve lugar em resultado de combates entre as forças peshmerga e militantes do Daesh, bem como dos ataques aéreos realizados pela coalizão internacional liderada pelos EUA.

    “As nossas unidades existem para assegurar a segurança da vida e bens de todos os habitantes da região. As forças peshmerga não fazem diferença entre a população árabe e curda, na nossa região moram cerca de 2 milhões de árabes e asseguramos a sua segurança ao nível mais alto”, afirmou o político.

    Representante oficial do Ministério para os Assuntos dos Peshmerga do Curdistão iraquiano, Helgurt Hikmet
    © Sputnik / Hikmet Durgun
    Representante oficial do Ministério para os Assuntos dos Peshmerga do Curdistão iraquiano, Helgurt Hikmet

    Hikmet sublinha que a população árabe sofre muito por causa da luta contra o Daesh que se desenvolve na região.

    “Os jihadistas frequentemente minam casas habitadas e, por isso, acontecem explosões. Além disso, os militantes do Daesh usam casas dos civis para se agruparem e, por isso, os aviões da coalizão antiterrorista tem de atacá-las”, notou.

    Hikmet também acrescentou que as unidades de curdos peshmerga em Kirkuk (no norte do Iraque) e em outras regiões incluem combatentes de origem árabe e turcomena.

    Tags:
    segurança, militantes, peshmerga, jihadistas, árabes, Curdistão iraquiano, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar