13:45 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    A Terra vista da Estação Espacial Internacional

    NASA: 2015 foi o ano mais quente já registrado no planeta

    © Foto: NASA
    Mundo
    URL curta
    434811

    A sequência de meses quentes no ano passado já tinha deixado claro que 2015 bateria todos os recordes de temperatura e isso acaba de ser confirmado oficialmente pela agência espacial americana (NASA) e pela agência de oceanos e atmosfera dos EUA (Noaa).

    A temperatura média global em 2015 foi 0,9°C mais alta que a média apresentada no século 20, confirmando que o ano foi, de longe, o mais quente da história. A temperatura é ainda 0,16°C mais quente que em 2014, que também já tinha quebrado esse recorde, com 0,74°C a mais, de acordo com análise da Noaa, apresentada nesta quarta-feira, 20.

    Considerando os dados da Nasa, a temperatura média foi 0,87°C mais alta que a média apresentada entre 1951 e 1980. Apesar da diferença de metodologia, ambas as medições colocam o ano anterior quebrando todos os recordes do registro de temperatura feito desde 1880. Um olhar sobre cada mês de 2015 também mostra que em dez deles a média também foi maior que a média histórica.

    A principal contribuição para a temperatura tão elevada, de acordo com as duas agências, foi a presença de um forte El Niño, fenômeno de aquecimento das águas do oceano Pacífico. Mas segundo a NASA, mesmo se não houvesse o El Niño, ainda assim 2015 seria o mais quente, porque segue um padrão de aquecimento que vem acontecendo nas últimas décadas.

    Mais:

    NASA prevê destruição de Los Angeles
    Vladimir Putin: Esforços da Rússia retardaram aquecimento global
    Cientistas descobrem bactéria para combater aquecimento global
    Obama diz que o aquecimento global é a maior ameaça
    Brasil teve papel mediador decisivo para Acordo Mundial do Clima na COP 21
    Brasil quer acordo robusto em Conferência do Clima
    Tags:
    efeito estufa, calor, aquecimento global, El Niño, NASA, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik