21:15 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Diamantes extraidos no Extremo Oriente russo

    Diamantes podem estreitar cooperação entre Rússia e China

    © Sputnik / Aleksandr Lyskin
    Mundo
    URL curta
    5171

    Já neste ano será aberta e testada a Bolsa de Diamantes em Vladivostok, disse o vice-premiê, representante do presidente russo no distrito federal do Extremo Oriente russo, Yury Trutnev.

    Segundo o político, há demanda por uma tal bolsa. A China é o segundo consumidor de diamantes no mundo depois dos EUA. O Japão é um grande consumidor. O vice-premiê propôs começar negociações com os consumidores tradicionais da China porque será mais fácil para eles ir a Vladivostok do que a Antuérpia, na Bélgica. 

    Em entrevista à Sputnik, o presidente do grupo de empresas Karat e da empresa de consultoria internacional Karat-Pekin, Konstantin Bunin, destacou que a bolsa de Vladivostok pode provocar interesse da Índia e Israel que têm estruturas análogas. O grupo de empresas Karat opera na área de produção de diamantes e ouro na Rússia, Hong Kong e China continental, onde está presente já por 4 anos.

    “Temos interesse no assunto. <…> Sim, precisamos de uma bolsa de diamantes, o que é mais importante é que ali serão vendidos diamantes bem como produtos finais – os brilhantes”, disse Bunin.

    Konstantin Bunin afirmou que organizar a bolsa não é uma tarefa fácil. Para além de ter que criar novos postos de controle alfandegário, coordenar taxas alfandegárias e organizar o território de desenvolvimento acelerado, terão que ser resolvidos muitos outros problemas.

    Durante o Fórum Económico Oriental, que teve lugar no início de setembro de 2015, o vice-ministro das Finanças, Aleksei Moiseyev, disse que o governo russo irá ter em conta a experiência da bolsa de diamantes de Xangai.

    “Com certeza, a experiência da bolsa de diamantes de Xangai é interessante em particular porque é uma única estrutura na China responsável pela importação de diamantes e brilhantes. Ou seja, importar diamantes para todo o enorme território da China é possível através de uma única bolsa de diamantes. Com certeza, isso permite controlar todas as correntes financeiras, todas as correntes de produtos. É uma vantagem para a indústria“, afirmou Bunin.

    IV Fórum Econômico e Comercial entre a China e o Centro e o Leste da Europa, em Suzhou.
    © REUTERS / Aly Song
    Hoje discute-se a hipótese de cooperação das bolsas em Vladivostok e Xangai. Na opinião de Bunin, organizar isso é perfeitamente viável. “Será necessário coordenar e sincronizar com a bolsa de Xangai os corredores monetários e de produtos. Somente com esta, não há outros parceiros na China. É preciso travar negociações”.

    A procura de diamantes e outros produtos de luxo recentemente baixou na China, primeiramente, devido à luta contra a corrupção. Entretanto, a procura destes produtos na China crescerá nos próximos 5-10 anos mais rapidamente do que na maioria dos países por causa do aumento do padrão de vida em geral. Segundo o consórcio mineiro Rio Tinto Group, a China ocupa 13% do mercado global de diamantes, o seu valor atinge 85 bilhões de dólares por ano.

    Tags:
    bolsa, cooperação, finanças, Extremo Oriente Russo, Vladivostok, Xangai, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar