21:33 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Shinzo Abe e Vladimir Putin, em reunião à margem da cúpula da APEC em 2014.

    O mundo precisa da Rússia, admite o primeiro-ministro do Japão

    © Sputnik / Michael Klimentyev
    Mundo
    URL curta
    12154

    O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pediu um degelo nas relações com a Rússia, incitando o diálogo a fim de por fim ao ciclo de violência no Oriente Médio. Segundo ele, a “participação construtiva da Rússia” é essencial para responder de modo efetivo aos desafios enfrentados pela comunidade internacional.

    "Precisamos da participação construtiva da Rússia", disse Abe em entrevista ao jornal Financial Times publicada no domingo (17).

    Primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe
    © AP Photo / Shizuo Kambayashi
    O premiê citou, neste contexto, a guerra na Síria, as relações tensas entre Arábia Saudita e Irã e a ameaça representada pelo radicalismo islâmico, incorporada principalmente pelo grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico). 

    Este ano, o Japão preside o grupo das sete economias mais avançadas do mundo e se prepara para sediar uma cúpula do G7 em maio. Abe disse ao Financial Times que estava pensando em ir a Moscou ou em convidar a ir a Tóquio o presidente russo, Vladimir Putin, de modo a cumprir sua função como presidente do grupo.

    "Como presidente do G7, eu preciso buscar soluções quanto à estabilidade da região, bem como à do mundo todo", disse o chefe de governo.

    O G7, anteriormente conhecido como G8, excluiu a Rússia em março de 2014 devido à reintegração da Crimeia ao território russo – processo que o Ocidente, em geral, qualifica como uma “anexação”, apesar de ter sido realizado por meio de um referendo no qual mais de 96% da população local escolheu se separar da Ucrânia –, e devido ao suposto papel de Moscou na crise interna ucraniana. Na época, o Japão fez coro às sanções econômicas impostas contra a Rússia.

    Abe mencionou ainda a situação no Mar do Sul da China, expressando “intensa preocupação” com as tentativas de Pequim de tentar “unilateralmente mudar o status quo” na região e pedindo o engajamento da Rússia.

    "Acredito que o diálogo adequado com a Rússia, o diálogo apropriado com o Presidente [Vladimir] Putin é muito importante", disse ele.

    Mais:

    EUA, Japão e Coreia do Sul farão 'diplomacia de pressão' sobre a Coreia do Norte
    Chanceleres da Rússia e Japão podem discutir testes nucleares na Coreia do Norte
    Pequim conduz novos testes de voo em base recém-construída no Mar do Sul da China
    Tags:
    crise, participação, sanções, Daesh, Estado Islâmico, G8, G7, Vladimir Putin, Shinzo Abe, Crimeia, Ucrânia, Irã, Arábia Saudita, Oriente Médio, Síria, China, Rússia, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar