15:12 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Navios de guerra da Marinha Chinesa

    EUA combatem rivais inexistentes?

    © AP Photo/ Guang Niu, Pool
    Mundo
    URL curta
    312448117

    A Marinha dos Estados Unidos divulgou um comunicado em que admite a ausência de rivais no mar após o fim da Guerra Fria. Enquanto isso, o documento destaca que o desenvolvimento das Marinhas da China e da Rússia pode fazer com que os EUA venham a enfrentar inimigos.

    A informação foi analisada em um artigo do site analítico What They Say About USA, citando a televisão central da China (CCTV).

    ​O comunicado, intitulado “Plano para assegurar a posição dominante dos EUA no mar”, analisa a posição da Marinha norte-americana bem como os planos do país para os próximos quatro anos.

    De acordo com o documento, a Marinha dos Estados Unidos continua sendo a mais poderosa do mundo, apesar de frequentes ameaças e desafios.

    Neste contexto, o especialista militar Yin Zhuo já tem especulado que a Marinha norte-americana usa a alegada ameaça da Marinha da China como pretexto para justificar a necessidade de continuar a aumentar as despesas militares ao seu governo.

    Mesmo tendo em conta que, nos últimos anos, a Marinha chinesa reduziu em muito o déficit de tecnologia militar em comparação com a norte-americana, os EUA continuam crendo que têm o controle sobre a zona marítima em torno da China.

    Nesta situação, sublinha o artigo, é claro que os interesses nacionais da China incluem o desejo de fortalecer as suas capacidades da defesa.

    Mas o especialista militar sublinha que atualmente a Marinha da Rússia é a única que pode resistir à dos EUA:

    “A Rússia continua a ser a única nação capaz de exterminar os EUA com as suas armas nucleares”.

    No final de 2015, o presidente dos EUA Barack Obama aprovou o orçamento militar para 2016, previamente aprovado pelo Congresso, no valor de US$ 607 bilhões de dólares.

    Como comparação, o orçamento militar em 2015 havia sido de US$ 495 bilhões de dólares.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik