23:41 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    María Ángela Holguín, chanceler da Colômbia (direita), e Humberto de la Calle, chefe da delegação de paz, em Havana, em 13 de janeiro

    Cuba impõe fim do conflito colombiano

    © AFP 2017/ YAMIL LAGE
    Mundo
    URL curta
    21120141

    Depois de uma entrevista com o presidente cubano, Raul Castro, as partes do conflito armado na Colômbia resolveram que irão buscar a paz "o mais breve possível".

    Castro teve um encontro com a chanceler colombiana, María Ángela Holguín, e também com outros dois integrantes da delegação de Bogotá, Humberto de la Calle e o Alto Comissionado para a Paz do governo de Juan Manuel Santos.

    Já da parte das Forças Armadas Revolucionários da Colômbia (FARC), participaram Iván Márquez, Pastor Alape e Carlos Antonio Lozada.

    A agência de notícias AFP cita um comunicado oficial dizendo que, na reunião, "constatou-se o interesse mútuo de continuar avançando para alcançar, no prazo mais breve possível, um acordo que permita pôr fim ao conflito de mais de 50 anos e conseguir uma paz estável e duradeira na Colômbia".

    Cuba também tem um histórico de moderação do conflito colombiano. As negociações com a participação de Havana começaram em 2012, e desde aquele momento o processo de paz começou a se retificar.

    O encontro terminou com a data estabelecida para a assinatura de um acordo de paz, em 23 de março do ano em curso.

    As FARC e o governo cumpriram parcialmente quatro dos seis itens previstos pelas negociações: o problema agrário (que esteve no início do conflito), o cultivo e o tráfico das drogas, a reparação às vítimas e a participação política dos militares quando eles deixarem as armas.

    O conflito deixou cerca de 220.000 mortos e 6 milhões de deslocados.

    Tags:
    FARC, María Angela Holguín, Raul Castro, Colômbia, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik