21:30 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Funcionário do setor petrolífero iraniano vai de bicicleta  perto da refinaria petrolífera no sul de Teerã, Irã

    Como vai ficar o mercado de petróleo após levantamento das sanções contra o Irã?

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Mundo
    URL curta
    37202
    Nos siga no

    O levantamento das sanções ocidentais permitirá ao Irã duplicar as exportações do petróleo. Entretanto, isso pode exercer mais pressão sobre o preço de petróleo, que já está abaixo de 30 dólares por barril.

    A UE e os EUA levantaram as sanções financeiras e económicas impostas ao Irã. Agora, o país tem a oportunidade de reaver a sua posição de líder na extração de petróleo na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e duplicar as exportações deste hidrocarboneto até 2 milhões de barris por dia.

    Estes planos podem exercer pressão adicional sobre o preço de petróleo, que desde o início de 2016 caíram até menos de 30 dólares por barril. Na sexta-feira (15), o preço do petróleo Brent baixou até 29 dólares.

    Pouco depois de ter tornado público que as sanções serão levantadas, o ministro de petróleo iraniano, Bijan Zangeneh, declarou que o Irã aumentará em breve o fornecimento de petróleo para o mercado mundial até 500 mil barris por dia e, dentro de mais 6-7 meses, até 2 milhões de barris por dia. 

    Antes de as sanções terem sido introduzidas, segundo os dados do Ministério da Energia dos EUA, o Irã produzia cerca de 3,7 milhões de barris por dia. Em 2014, a produção foi de 2,8 milhões de barris diários. As exportações de petróleo baixaram duas vezes até 1 milhão de barris por dia para a China, Índia, Turquia, Japão e Coreia do Sul. O mercado europeu, que tradicionalmente é consumidor do petróleo russo, está agora aberto para o Irã.

    O que é mais importante é que, quando surgiram notícias sobre a hipótese de levantar as sanções contra o Irã, Teerã começou a restaurar os laços com os seus antigos parceiros.

    O especialista, conselheiro do Instituto de Desenvolvimento moderno, Nikita Maslennikov, opina que a reentrada do Irã no mercado mundial de petróleo pode ser adiada até 2017-2018 por causa de dificuldades ligadas aos investimentos.

    É que a queda na produção de petróleo e a ausência de investimentos afetaram muito o setor petrolífero do país. Agora, o Irão precisa de 150 bilhões de dólares de investimentos para restaurar a indústria até 2020, disse o diretor do departamento de planejamento estratégico do Ministério do Petróleo iraniano, Saied Qavampur.

    Maslennikov refere que, pelo menos durante este ano, o Irã não conseguirá assegurar o seu retorno em grande escala para o mercado global. Potencialmente, pode aumentar a produção até um milhão de barris por dia mas isso exigirá grandes investimentos. O roteiro mais provável é que a produção iraniana será de cerca de 300 milhões de barris por dia.

    Entretanto, o especialista afirmou que as atividades de investimento das maiores empresas petrolíferas, que já se reduziram em 25-30% em 2015, neste ano cairão ainda mais. “Por isso, a perspectiva do Irã entrar no mercado de forma significativa só irá acontecer em 2017-2018”.

    Quanto ao preço de petróleo, o especialista afirma que o levantamento das sanções leva a riscos para o mercado de petróleo. Na sua opinião, a questão da presença iraniana no mercado e o preço do petróleo serão o tema de uma reunião extraordinária da OPEP, onde os países-exportadores deverão resolver a atual situação desfavorável.

    Tags:
    perspectiva, mercado, preço do petróleo, sanções, OPEP, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar