22:57 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Wu Hailong, Laurent Fabius, Frank-Walter Steinmeier, Federica Mogherini, Javad Zarif, Alexey Karpov, Philip Hammond e John Kerry

    EUA e União Europeia revogam sanções contra o Irã

    © REUTERS/ Ruben Sprich
    Mundo
    URL curta
    Irã fica sem sanções (28)
    322178271

    Os EUA e a UE acabam de confirmar oficialmente a revogação das sanções contra o Irã.

    A União Europeia e os Estados Unidos estão levantando as sanções impostas contra o Irã motivadas pelo programa nuclear do país.

    O secretário de Estado americano, John Kerry, confirmou que os EUA retiraram as sanções contra o Irã. O presidente dos EUA, Barack Obama, assinou uma ordem executiva revogando as sanções.

    “Eu, Barack Obama, predidente dos Estados Unidos da América, determinei que a implementação do Irã das medidas nucleares especificadas no… Plano de Ação Conjunto de 14 de julho de 2015… marca uma mudança fundamental nas circunstâncias que dizem respeito ao programa nuclear do Irã,”

    A declaração vem após a Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA, na sigla em inglês) confirmar que o Irã cumpriu inteiramente com suas obrigações acordadas com o grupo P5+1.

    A chefe de política externa da União Europeia, Federica Mogherini, afirmou que a UE a os EUA haviam emitido guias para a suspensão das sanções contra o Irã. Ela também apontou que a União Europeia saúda o início da implementação do Plano de Ação Conjunto. 

     

    Tema:
    Irã fica sem sanções (28)

    Mais:

    EUA não veem perspectivas para retomar relações diplomáticas com Irã
    EUA agradecem ao Irã por rápida libertação de marinheiros detidos
    'Arábia Saudita tenta minar acordo nuclear com Irã'
    China apela à Arábia Saudita e Irã para manterem a calma
    Liga Árabe discute ‘interferência’ do Irã no Oriente Médio
    Tags:
    acordo nuclear, programa nuclear iraniano, suspensão, sanções, P5+1, União Europeia, IAEA, Barack Obama, John Kerry, Federica Mogherini, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik