12:38 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Homem escolha limões no mercado na rua al-Mustaqim em Damasco, Síria

    Limões da Síria vão à Rússia em vez dos turcos

    © AFP 2019 / ANWAR AMRO
    Mundo
    URL curta
    9274
    Nos siga no

    A Síria começou a fornecer cítricos para a Rússia. A primeira remessa de limões e laranjas já foi enviada para Novorossiysk do porto de Latakia e em breve chegará à Rússia.

    Mais cedo as autoridades sírias em Damasco disseram que o país está prestes a exportar mais de 700 toneladas de cítricos para a Rússia para compensar a falta causada pelas sanções russas contra a Turquia.

    “Estamos felizes que o mercado russo está aberto para a nossa produção e podemos começar a enviar os navios com grande quantidade de frutas e legumes para a Rússia”, disse à Sputnik Munzir Gerbek, o oficial agrícola em Latakia.

    Mirza Rejep, o representante oficial pelas exportações de frutas e legumes de Latakia, disse que 60 toneladas de limões e laranjas têm sido enviadas para a Rússia desde novembro e ainda mais serão enviadas neste ano.

    Segundo as estimativas preliminares, 34 mil toneladas de cítricos serão fornecidas para a Rússia todos os meses.

    Duas cidades portuárias sírias, Latakia e Tartus, produziram a maior parte do consumo de cítricos do país antes de a guerra civil na Síria ter iniciado em 2011.

    Os agricultores locais, que praticamente não foram afetados pela guerra, continuam a trabalhar fazendo todos os esforços e produzindo 2,5 mil toneladas de frutas e legumes por dia, a maior parte dos quais vende-se no mercado local.

    “Cerca de um milhão de toneladas de cítricos foram produzidos em Latakia em 2015 o que representa 50% de todos os limões e laranjas cultivados no país”, sublinhou Munzir Gerbek.

    O presidente da Câmara de Indústria síria, Fares Chehabi, afirmou na terça-feira (13) que outros produtos sírios, inclusive têxteis, também serão exportados para a Rússia.

    Tags:
    frutas, exportações, sanções, Turquia, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar