18:36 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    28214
    Nos siga no

    A maioria dos Estados possuidores de tecnologia nuclear para fins militares não dispõe de um aparato de segurança cibernética suficientemente seguro para evitar invasões dos seus sistemas e possíveis sabotagens, segundo revelou a ONG Nuclear Threat Initiative (NTI) em relatório divulgado nesta quinta-feira.

    Pela primeira vez, os especialistas dessa organização independente, fundada em 2001, avaliaram a cibersegurança dos países detentores de armas nucleares e de outras 152 nações com pouco ou nenhum armamento com material atômico. 

    "Aproximadamente a metade dos países avaliados não tem qualquer condição de proteger suas instalações nucleares contra ciberataques. E apenas nove dos 24 países com armas utilizáveis com material nuclear receberam pontuação máxima em segurança cibernética", diz o documento.

    Rússia, Estados Unidos, Bielorrússia, Canadá, França e Reino Unido estão entre os países que receberam nota máxima na avaliação.

    De acordo com a NTI, sem a proteção adequada, um possível ataque aos sistemas de defesa das instalações nucleares de certos Estados poderia resultar, em última instância, em atos de sabotagem com consequências trágicas para todo o mundo. 

    Mais:

    Opinião: Não se deve menosprezar a Bomba H de Kim Jong-un
    Irã está terminando implementação do acordo nuclear
    Avião estadunidense enfrenta ‘resposta nuclear’ da Coreia do Norte
    Pentágono garante segurança do Japão após teste nuclear norte-coreano
    Tags:
    armas nucleares, cibersegurança, ciberataque, NTI, Reino Unido, França, Canadá, Bielorrússia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar