03:24 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Chanceler da Alemanha Angela Merkel

    Merkel reconhece que a Europa é incapaz de controlar os refugiados

    © AP Photo / Markus Schreiber
    Mundo
    URL curta
    1267
    Nos siga no

    A chanceler da Alemanha Angela Merkel declarou nesta terça-feira (12), ao se apresentar num fórum de negócios em Mainz, que as autoridades europeias são incapazes de garantir uma ordem apropriada à situação da atual crise migratória na Europa, informou o jornal britânico The Daily Mail.

    "Agora, nos deparamos repentinamente com o problema da chegada de refugiados à Europa e vimos como somos vulneráveis pelo fato de ainda não possuirmos a ordem e o controle que nós gostaríamos de ter" – disse Merkel.

    A chanceler destacou igualmente que a situação com a moeda europeia está diretamente ligada à liberdade da circulação de pessoas pela União Europeia.

    "Ninguém deve se portar como se fosse possível ter uma moeda comum sem a possibilidade de atravessar fronteiras com uma relativa liberdade" – explicou Merkel, dizendo que caso contrário o mercado europeu sofrerá "sérias consequências". Dessa forma, segundo escreveu The Daily Mail, a chanceler expôs a necessidade de a Alemanha defender a liberdade do direito de ir e vir.

    A política migratória de Merkel vem sendo a cada vez mais alvo de críticas tanto por parte da população da Alemanha, como em toda a União Europeia.

    Na madrugada de 1º de janeiro, a cidade de Colônia foi palco de uma série de ataques de migrantes e refugiados a cidadãos alemães que comemoravam o Ano Novo nas ruas do centro da cidade. Até o momento a polícia local já recebeu cerca de 400 queixas de roubos, agressões e assédios sexuais.

    Mais:

    Alemanha poderá expulsar refugiados condenados
    Número de refugiados que chegam à Alemanha diminui
    Merkel promete reduzir a entrada de refugiados na Alemanha
    Tags:
    migrantes, crise migratória, refugiados, Angela Merkel, Europa, União Europeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar