05:06 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Supremo Tribunal de Madras, Índia

    Tribunal indiano condena tripulação de navio antipirataria dos EUA por porte de armas

    © flickr.com/ roadconnoisseur
    Mundo
    URL curta
    5141

    Membros da tripulação de um navio norte-americano, entre eles 12 indianos, seis britânicos, 14 estonianos e três ucranianos, foram condenados a cinco anos de prisão cada um por posse ilegal de armas e por entrar em águas indianas sem autorização, segundo noticiou a imprensa local.

    A decisão foi anunciada nesta segunda-feira (11) por um tribunal indiano.

    "O Supremo Tribunal de Madras concedeu fiança para os acusados, mas nós o desafiamos com sucesso e garantimos que eles fossem pegos", disse o procurador público K. Sivakumar, citado pelo jornal The Hindustan Times.

    O tribunal também impôs uma multa de 3.000 rúpias (cerca de US$ 45) a cada um dos 35 condenados, segundo a publicação.

    De acordo com relatos da mídia local, os advogados que representam a tripulação disseram que iriam desafiar a condenação do Supremo Tribunal de Madras.

    A embarcação automotora Seaman Guard Ohio – levando a bordo 10 membros da tripulação, 25 agentes de segurança e várias armas, incluindo rifles automáticos – foi interceptada pela guarda costeira da Índia ao largo da costa de Tuticorin, no estado de Tamil Nadu, em outubro de 2013.

    ​O navio, propriedade da empresa de segurança marítima registada nos EUA AdvanFort International, era usado como plataforma de alojamento para os guardas de combate à pirataria em trânsito entre os navios comerciais que transitam nas zonas de alto risco do oceano Índico.

    Mais:

    Marinhas de Rússia e Índia treinarão defesa aérea conjunta
    Índia construirá 6 submarinos nucleares, segundo chefe da Marinha
    Tags:
    guarda costeira, navio, invasão, porte de armas, condenação, tripulação, armas, pirataria, Seaman Guard Ohio, Ucrânia, Estônia, Reino Unido, EUA, Tuticorin, Tamil Nadu, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik