10:32 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    TV sul-coreana noticia teste de bomba de hidrogênio da Coreia do Norte. Seul, 6 de janeiro de 2016

    Será que a bomba testada na Coreia do Norte não era de hidrogênio?

    © REUTERS/ Kim Hong-Ji
    Mundo
    URL curta
    375048264

    O secretário executivo da Organização do Tratado para a Proibição Completa dos Testes Nucleares, Lassina Zerbo, opina que a bomba que explodiu na quarta-feira (6) não era de hidrogênio.

    No seu Twitter o especialista escreveu:

    «Coreia do Norte: A explosão não foi tão forte que seja possível a considerar de hidrogênio, mas a hipótese é que a potência foi aumentada pelos isótopos de hidrogênio».

    Entretanto, hoje o líder norte-coreano disse que o teste da bomba de hidrogênio foi «um ato de autodefesa» do país em resposta à ameaça da guerra atômica por parte dos EUA e de seus aliados.

    "O teste de bomba de hidrogênio da Coreia do Norte é um passo autodefensivo para proteger firmemente a paz na península da Coreia e a segurança regional do perigo de uma guerra nuclear causada pelos imperialistas liderados pelos Estados Unidos," disse Kim Jong-un, citado pela Agência de Notícias Central Coreana.

    O líder norte-coreano acrescentou que tais testes são «um direito legítimo de um Estado soberano e um movimento justo que ninguém pode criticar".

    A Coreia do Norte declarou-se potência nuclear em 2005 e realizou testes nucleares em 2006, 2009 e 2013, tendo anteriormente se retirado do Tratado de Não-Proliferação Nuclear. As resoluções 1718 e 1814 das Nações Unidas apelam a Pyongyang para se abster de testes nucleares e reiniciar as negociações sobre a desnuclearização da península coreana.

    Mais:

    Japão e Grã-Bretanha pretendem buscar nova resolução contra a Coreia do Norte
    Coreia do Sul reinicia emissões de propaganda no aniversário do líder norte-coreano
    Teste de bomba de hidrogênio da Coreia do Norte: foi verdade ou não?
    Tags:
    Bomba H, bomba de hidrogênio, não-proliferação, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik