07:37 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Real brasileiro e dólar norte-americano

    Previsão econômica para a América Latina em 2016

    © AFP 2019 / VANDERLEI ALMEIDA
    Mundo
    URL curta
    864
    Nos siga no

    O mais recente relatório do Banco Mundial, divulgado na última quarta-feira (6), prevê que a economia da América Latina deve ficar estagnada em 2016. A expectativa é de recessão em países como Brasil e Venezuela, e crescimento moderado no México.

    Segundo o relatório sobre perspectivas econômicas globais do Banco Mundial, a América Latina somente voltará a crescer a partir de 2017.

    De acordo com o documento, a contração da economia brasileira deve ter efeitos sobre os países da região. Uma queda de 1% no crescimento do Brasil tende a reduzir, em dois anos, o crescimento da Argentina em 0,7%; no Paraguai, em 0,6 ponto; no Equador e no Peru, em 0,3 ponto; e no Chile e na Colômbia, em 0,2 ponto.

    Recessão continua no Brasil

    Depois de enfrentar forte recessão em 2015, a economia brasileira continuará a encolher neste ano, informou o Banco Mundial. A instituição espera para este ano uma contração de 2,5%. Para 2015, a entidade projeta recuo de 3,7%.

    As estimativas representam uma piora em relação ao relatório anterior, divulgado em junho do ano passado. Na ocasião, o Banco Mundial projetava contração de 1,3% para o Brasil em 2015 e crescimento de 1,1% este ano. Para o banco, somente nos próximos dois anos, a economia brasileira se recuperará, com crescimento estimado de 1,4% em 2017 e de 1,5% em 2018.

    Mas apesar do período de recessão, o último relatório de previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostrou que o Brasil continua sendo a maior economia latino-americana. 

    Aliança do Pacífico se desenvolve

    Já países como México, Colômbia, Chile, e Peru, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, podem se beneficiar das reformas dos últimos anos e de políticas macroeconômicas estáveis, “embora agora seja difícil de ver por causa do preço das matérias-primas”.

    Os representantes do FMI observaram no final de 2015 que veem com bons olhos a política econômica desenvolvida nesses países, destacando que apesar da queda do petróleo, muito acentuada este ano, a economia colombiana se mantém como a quarta da região, e Chile se consolida no quinto lugar.

    Contração na Venezuela 

    Já a Venezuela passou de quarta economia da região para sétima, justamente pela alta dependência do preço do petróleo e à falta de alternativas produtivas. Segundo o FMI, a crise profunda a encolheu a ponto de situá-la como sétima economia da região em 2015, superada pelo Peru e com metade do PIB da Colômbia.

    As previsões para o PIB da Venezuela em 2016 é de uma contração de 6%. Segundo as projeções, o país também deve apresentar um resultado pior do que o da América do Sul no período, que deve encolher 0,3%, no geral.  

    A instabilidade política do país também contribui para a imprevisibilidade do cenário, tendo em vista a tentativa de deposição do presidente Nicolas Maduro por parte da oposição, que assumiu a Assembleia Nacional após vencer as últimas eleições. 

    Mais:

    Previsão de crescimento da economia mundial em 2016: Banco Mundial reduz as expectativas
    Na posse de Barbosa, Dilma diz que Levy foi fundamental para ajustes na economia
    Perspectivas de desenvolvimento dos BRICS não provocam dúvidas
    S&P afirma rating BBB- do BNDES, com perspectiva negativa
    Tags:
    previsão, economia, Banco Mundial, FMI, Chile, Venezuela, América Latina, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar