23:43 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    408
    Nos siga no

    Os aviões da coalizão dos países árabes, liderada pela Arábia Saudita, lançaram bombas em bairros residências na capital do Iêmen, Saná. A informação foi divulgada pela organização internacional Human Rights Watch nesta quinta-feira (7).

    "As forças da coalizão liderada pela Arábia Saudita na manhã de ontem (quarta-feira) lançaram bombas de fragmentação em áreas residenciais da capital iemenita Saná. Neste ponto, não está claro se há vítimas entre a população civil, como resultado dos ataques, mas o uso deliberado e imprudente de bombas de fragmentação em áreas povoadas equivale a um crime de guerra", afirma o relatório.

    O conflito armado onde um lado estão os rebeldes Huthis do movimento xiita "Ansar Allah" e leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh do exército, e, por outro — as tropas de deposto o seu Presidente Abd Rabbo Mansour Hadi, a quem a terra e força aérea apoiar a coalizão árabe liderada por Arábia Saudita.

    Desde 2014, o Iêmen passa por uma guerra civil entre o governo liderado por Abd Rabbuh Mansur Hadi, de um lado, e rebeldes ciitas houthis, apoiados por unidades do exército leais ao ex-presidente do país, Ali Abdullah Saleh.

    A Arábia Saudita formou uma coalização militar islâmica de 34 países contra o terrorismo. O centro de comando operacional unido será baseado na capital da Arábia Saudita, Riad. Segundo a declaração oficial, a coalização é criada para “resistir ao terrorismo que se tornou uma ameaça para interesses da nação islâmica” e também “partindo do direito de nações à autodefesa”.


    Mais:

    Arábia Saudita intercepta míssil lançado do Iêmen
    Coalizão liderada Arábia Saudita anuncia fim da trégua no Iêmen
    Arábia Saudita afirma ter derrubado míssil disparado por houthis no Iêmen
    Governo e houthis concordaram em iniciar negociações de paz no Iêmen
    Tags:
    conflito, bombas, terrorismo, coalizão, Human Rights Watch, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar