00:44 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Militantes do Daesh (Estado Islâmico) em comboio rumo ao IraqueOs militantes da Frente Nusra da Al Qaeda

    Como assim? Daesh e al-Qaeda tornam-se mais fortes lutando um contra outro

    © AP Photo / Militant website via AP, File © REUTERS / Khalil Ashawi
    1 / 2
    Mundo
    URL curta
    6112
    Nos siga no

    Havia muitas esperanças de que os grupos terroristas o Daesh e al-Qaeda se tornem mais fracos lutando um contra outro, mas parece que a luta pelo poder entre os dois grupos terroristas que sacode o Oriente Médio só fê-los mais fortes, escreveu o analista Ari Heistein na edição National Interest.

    “Embora Daesh conseguisse ofuscar na mídia o seu predecessor ideológico, torna-se a cada vez mais aparente que [o Daesh] e al-Qaeda são mercadorias complementares e não substitutos”, observou o especialista em assuntos do Oriente Médio.

    Militantes do Estado Islâmico lançam um míssil antitanque em Hassakeh, no nordeste da Síria, 26 de junho de 2015
    © AP Photo / Militant website via AP
    A ideia de que esses dois grupos possam enfraquecer um ao outro não é baseada em pura esperança. Três fatos fizeram esse cenário parecer possível. Os confrontos levaram as vidas de muitos militantes da Frente al-Nusra (afiliado da al-Qaeda na Síria). Muitos outros decidiram juntar-se às fileiras do Daesh. Além disso, muitos grupos terroristas, como, por exemplo, o Boko Haram, juraram fidelidade ao Daesh.

    Todos esses fatores deviam em principio dar um golpe mórbido na al-Qaeda e os seus afiliados, mas na verdade isto não aconteceu.

    “De fato muitos afiliados do al-Qaeda não só permaneceram, mas expandiram… A potência de uma força deve ser determinada pela sua quantidade e qualidade e nos últimos anos a al-Qaeda fez avanços em ambos os aspectos”, explicou o analista.

    A Frente al-Nusra e outros afiliados da al-Qaeda tenham visto mais militantes que aderiram às suas fileiras. Além disso, os seus recrutas tornam-se militantes mais experientes mais rápido porque o Iêmen, o Iraque e a Síria servem como campos de treinamento para eles.

    “Não deve constituir uma surpresa o fato que estes dois grupos, enquanto teoreticamente lutando um contra outro pela liderança na arena de jihad global, individualmente experimentem muito êxito”, observou Heistein.

    Isto significa que a perspectiva do Ocidente sobre os acontecimentos no Iraque e na Síria e no Oriente Médio em geral tinha sido distorcida e deve ser reajustada.

    “No mundo ideal, o Ocidente devia simplesmente ficar tranquilo e ver como a al-Qaeda e [o Daesh] se destroem sem ter de levantar um dedo. Porém, estas previsões idílicas fracassaram em vez de se materializar e é possível que aquilo que, segundo nós, devia prejudicar a al-Qaeda e [Daesh], na verdade propulsionou-os para frente”, sublinhou o especialista.

    A organização terrorista Daesh (proibida na Rússia e reconhecida como terrorista pelo Brasil) autoproclamou-se "califado mundial" em 29 de junho de 2014, tornando-se imediatamente uma ameaça explícita à comunidade internacional e sendo reconhecida como ameaça principal por vários países e organismos internacionais. Porém, o grupo terrorista tem suas origens ainda em 1999, quando o jihadista da tendência salafita jordaniano Abu Musab al-Zarqawi fundou o grupo Jamaat al-Tawhid wal-Jihad. Depois da invasão norte-americana no Iraque em 2003, esta organização começou a fortalecer-se, até transformar-se, em 2006, no Estado Islâmico do Iraque. A ameaça representada por esta entidade foi reconhecida pelos serviços secretos dos EUA ainda naquela altura, mas reconhecida secretamente, e nada foi feito para contê-la. Como resultado, surgiu em 2013 o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, que agora abrange territórios no Iraque e na Síria, mantendo a instabilidade e fomentando conflitos.

    Tags:
    opinião, terrorismo, Al-Qaeda, Frente al-Nusra, Daesh, Oriente Médio, Iêmen, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar