00:40 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Argentina, Mauricio Macri, na cerimônia de inauguração de seu mandato na Casa Rosada, 10 de dezembro de 2015

    Novas autoridades argentinas anunciam intenção de lutar pelas Malvinas

    © AFP 2019 / JUAN MABROMATA
    Mundo
    URL curta
    3152
    Nos siga no

    A Argentina continuará a lutar pela recuperação de sua soberania no território de disputa das ilhas Malvinas. A declaração é do Ministério das Relações Exteriores da Argentina no último domingo (3).

    “Hoje se completam 183 anos da contínua ocupação, o povo e o governo argentino reiteram os direitos inalienáveis de soberania sobre as Ilhas Malvinas, Geórgia do Sul, Ilhas Sandwich do Sul e os territórios marítimos circundantes", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

    A diplomacia do país destacou que a restauração do controle sobre as ilhas em disputa é "a política do Estado e atende os desejos de todos os habitantes da Argentina". 

    A questão das Ilhas Malvinas é um assunto de disputa de longa data entre a Argentina e a Grã-Bretanha, o que levou a um conflito armado em 1982, causando a morte de 649 argentinos e 255 britânicos. A guerra de 72 dias foi vencida pela Grã-Bretanha.

    Em março de 2013 foi realizado um referendo sobre o status do arquipélago. A maioria da população se posicionou a favor das ilhas permanecerem sob a posse do Reino Unido. A Argentina não reconheceu o resultado do referendo. 

    Nas últimas eleições do país, a oposição chegou ao poder com o neoliberal Mauricio Macri, eleito presidente da Argentina em 23 de novembro. 

    Para a professora de Relações Internacionais da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Míriam Saraiva, especialista em políticas latino-americanas com ênfase em países como Brasil e Argentina, a posição do Presidente Mauricio Macri em relação à soberania das Ilhas Malvinas não surpreende.

    “Há um artigo na Constituição Federal da Argentina que obriga o chefe de Estado e Governo a envidar todos os esforços para a recuperação da soberania nacional sobre as Malvinas e sobre os territórios marítimos circundantes. Porém, o artigo não fala em ofensiva militar contra o detentor dessa soberania, no caso, o Reino Unido. Portanto, esse artigo dá a entender que os mencionados esforços se deem apenas por via diplomática, por meio da discussão política pacífica e negociada.”

    Mais:

    Argentina nomeia cidadão dos EUA para secretaria da presidência
    Analista: Argentina busca alternativas, mas continua dependente do Brasil
    ‘DR’ no Mercosul: Brasil e Argentina discutem relação sobre direitos humanos na Venezuela
    Putin e Macri se comprometem com parceria estratégica entre Rússia e Argentina
    Macri vai contra a sociedade organizada argentina ao querer alterar a lei da mídia
    Tags:
    territórios ocupados, soberania, Mauricio Macri, Ilhas Malvinas, Grã-Bretanha, Reino Unido, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar